terça-feira, 28 de setembro de 2010

MARINA SILVA E O VELHO QUE LIA ROMANCES DE AMOR

MARINA SILVA E O HOMEM QUE LIA ROMANCES DE AMOR


Por Belarmino Mariano Neto (belogeo@gmail.com)


Esse artigo é fruto de um caloroso debate articulado a partir de um texto escrito por Joana belarmino no portal Luis Nassif - http://blogln.ning.com/profiles/blogs/o-velho-que-lia-romances-de?xg_source=activity – no qual Joana tenta fazer uma articulação entre a Candidata Dilma Ruseff/Lula/PT com “ O velho que lia romances de amor”. Fiz um contra-ponto e articulo uma outra versão aos fatos, colocando no centro do romance a candidata Marina Silva – PV. Outro ponto, agora de concórdia é quanto a mídia burguesa e seu raio de ação desferindo ataques sombrios contra a Ex- Ministra Dilma, meios de comunicação que Joana unifica em uma espécie de Partido da Imprensa Golpista – PIG.

O autor chileno Luis Sepúlveda, dedica a Chico Mendes, guerreiro amazônico um dos mais belos escritos românticos, em prosa descritiva e perceptiva. É importante observar que o velho eremita que vive na floresta e que lê romances de amor, nos lembra bem mais, outra candidata a presidente, também amiga pessoal de Chico Mendes e que teve oportunidade de aprender a ler em objetos de papel só após 16 anos de idade. Marina Silva se relacionaria melhor nas observações feitas por Joana Belarmino.

Tive oportunidade de conhecer e fazer amizade com um antropólogo acreano conhecido por Mauro Almeida/UNICAMP. Ele também foi amigo de Chico Mendes e é amigo de Marina Silva. Em suas aulas sobre Antropologia, território e identidade, ele contou um pouco de suas experiências na floresta. Com os caçadores, com os seringueiros e com as suas leituras em plena selva. Ele contou que havia uma geladeira velha, na qual depositava seus livros de pesquisas, entre eles: alguns romances, obras marxistas e antropológicas.

Marina Silva se serviu de sua geladeira de livros, e possivelmente traga em suas análises afiadas, um pouco desse romance real. Não como segunda pele, mas como primeira pele. Quando a gente fala da epiderme do ser é como tratar da essência, elementos que transcendem a própria lógica formal, pois estamos diante de dinâmicas cognitivas utilizadas pelo pensamento analógico.

Acho que a colagem feita por Joana Belarmino quando faz sua dura crítica a imprensa burguesa é correta, mas a comparação entre o velho que lia romances de amor e Dilma/Lula está descontextualizada, pelo simples fato de que diferente de Lula, estrategista emocional, Dilma não convence nem a si mesma. Essa é uma opinião não da mídia burguesa, mas de muitos intelectuais e de pessoas simples com as quais a gente encontra e tabula conversas políticas típicas de nossa frágil democracia.

Assisti algumas entrevistas de Dilma e li algumas de suas opiniões espalhadas pela mídia burguesa, ou simplesmente, por canais alternativos de imprensa, blogosfera e sites livres. http://www.youtube.com/watch?v=8wIlFaF2r4c Me estranha suas posições sobre o meio ambiente e sobre a literatura. http://www.youtube.com/watch?v=qWgol6I-YpY&feature=related . Como a tratada aqui do artigo de Joana Belarmino. Fico pensando, será que Dilma já se deu ao trabalho primitivo de lê esse belo romance?

Concordo com uma coisa, atos falhos são psicologicamente normais, pois representam o que de fato a gente pensa sobre determinadas questões. Atos falhos sequenciais comprometem a personalidade do individuo em questão. Por outro lado, quando lemos Levy (1993), o mesmo argumenta que a dinâmica do pensamento nos dias atuais relaciona-se a um processo cognitivo coletivo. Nesse sentido, preocupa-me querer culpar o PIG, pelos atropelos da escolha presidencial petista. Sabemos que a esquerda moderna, chegou ao poder pela via da direita, cheia de boas intenções. Sabemos também que para o PT chegar ao poder, precisou fazer uma limpeza ideológica em seus quadros (marxistas, leninistas, trotskistas, maoístas, ghevaristas, etc.), os últimos fundaram o PSOL de Heloisa Helena e seus companheiros.

Acho que precisamos de um segundo turno, não por vontade da imprensa burguesa, mas por vontade popular, pois o personagem que vive na floresta e lê romances de amor é Marina Silva. Acho que também na visão de Boff, Caetano, Betânia, Adriana Calcanhoto, Lenine, Pedro Simom e Dona Eulália, 73 anos, professora aposentada e que disse: “Marina é frágil, mas tem muita fibra. Vi sua entrevista no Bom dia Brasil, ela me convenceu, e eu nem ia votar este ano”.

Será que a história da vida de António José Bolívar foi inspirada em Chico Mendes? Quem conhece a história de Chico e entra no universo do velho que lia romances de amor, percebe e se envolve com o respeito pela natureza e aos povos da floresta. Esse mundo verde, que alimentou a ficção de AVATAR, é preconizado no romance de Marina Silva, em sua UTOPIA ATIVA, em uma missão quase impossível. Mas a onda verde vem pegando velocidade, podendo virar tsunami político, quase que em uma reação de viragem ecológica. Algo como “um vendedor de flores que ensina seus filhos a escolher seus amores” (Ana Carolina). Não gostaria que atribuíssem a imprensa burguesa tal fato, pois Marina só tem um minuto de TV e o mesmo espaço na imprensa que os demais candidatos. No entanto, vejo uma montanha de internautas reinventando silenciosamente uma nova maneira de fazer política.

Quanto às rugas ou verrugas no espaço-tempo, sequestro de Lula e Dilma, acho que o PIG não precisará de nada disso, pois a escolha de Dilma é um erro que deve ser atribuído aos dirigentes do PT, dos quais Lula é apenas um, mesmo que seja o principal.

Gostaria de ter visto no artigo outros personagens de o velho que lia romances de amor, entre eles o venal Barbosa e sua absurda lógica de extorsão, típica do modelo político brasileiro. Eleições corrompidas pelo álcool, pela compra de votos e fichas sujas, aparecem no romance do chileno Luis Sepúlveda. Em nossa realidade estas fichas sujas viram fichas limpas na boca do nosso líder operário. A direita recebe de presente todas as munições que Lula/Dilma e seu grupo de continuidade no poder, não poderiam dar ao PIG.

Quem é Bolivar, além de um leitor de romances de amor? Profundo conhecedor de todos os sistemas vegetais, animais e hídricos da floresta. Conhecimento romanceado ao longo da vida, dos ritos e da lida. Marina Silva, agora no PV, vive esse romântico e livre mundo em que a consciência contribui para as grandes decisões coletivas. Independência que passa pelo poder de escolher seus homens e mulheres, para o ministério de um governo nascido do coração dos povos da floresta, da caatinga, do cerrado, da mata atlântica, pantanal, araucárias e dos pampas gaúchos.

Quem são os inimigos? Isso fica para os futuros leitores de “O velho que lê romances de amor”. Faço questão de aqui colocar o velho como o que lê romances de amor, pois estou na casa dos meus quarenta e seis anos de idade, enquanto aquele velho, só de floresta já tinha 40 anos. Os velhos e as velhas, os jovens e as jovens devem enveredar pela sugestão de leitura da irmã Joana Belarmino e verão que a candidata que melhor se relaciona com o romance é Marina Silva, filha da floresta, agora uma guerreira AVATAR que já conseguiu um verdadeiro exercito verde e isso será irreversível na vida política cultural, social e ambiental desse pais.

Assim como Lula da Silva, filho de Brejeiros do Agreste pernambucano, Marina Silva é neta de cearenses retirantes e filha da floresta, leitores e construtores de um romance sem precedentes na história desse país que já tem uma nova história para contar.