terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Contas de ZT, Fátima e Josa da Padaria, reprovadas e aprovadas

Fatima-Josa-Zenobio
Fotos extraídas do: http://expressopb.com/wp-content/uploads/2015/12/Fatima-Josa-Zenobio.jpg/ 11/DEZ/2015

Por Belarmino Mariano
Extraído do blog: http://guarabira50graus.blogspot.com.br/2015/12/camara-de-vereadores-de-guarabira.html

REPROVADA, APROVADA, IRREGULAR, REPROVADA, APROVADA, IRREGULAR...parece brincadeira, mas não é. Nos cruzamentos das vias férreas temos a placa em ferro fundido: PARE, OLHE e ESCUTE!. 
Contas irregulares, reprovadas e depois aprovadas, foi isso mesmo que aconteceu em Guarabira, agora no dia 10 de dezembro de 2015. No momento em que o país vive uma das suas piores crises políticas, econômicas e éticas. Com esse ato os vereadores de Guarabira rasgaram a constituição brasileira, colocaram os seus mandados no lixão de Guarabira e tocaram fogo pra gente ficar respirando esse ar contaminado e que os mesmo tanto criticam em suas parlamentadas. 

Fonte: Ricardo Mário Gonçalves, professor de História Oriental da USP.
NÃO ESCUTO, NÃO VEJO e NÃO FALO. Aí "o trem da história" passa por cima da ética e da democracia triturando os valores civilizatórios, os valores religiosos, os valores morais dos que calam e consentem que práticas de corrupção sejam adotadas como valor universal no local, em pleno mês natalino, o mês do perdão, o mês da solidariedade humana, o mês do aniversário de Jesus Cristo, isso, o mesmo que 33 anos depois foi crucificado, morto e sepultado para nos garantir a vida eterna.

O dinheiro público sem licitação, sem comprovação de gasto, sem prestação de contas, sem o destino correto e que não se justifica nas contas de Zenóbio, de Fátima ou de Josa, foi pelo ralo, foi perdoado pelos vereadores. Isso mesmo, soma milhões. Isso mesmo, milhões que poderiam ter sido investidos corretamente em saúde, educação, habitação, assistência social ou obras. Enquanto isso, o legislativo de Guarabira, que deveria fiscalizar o executivo, fechou os olhos, tapou os ouvidos e se tapou a boca diante das irregularidades confirmadas pelo TCE/PB.

Senhoras e senhores, como faz falta termos UNS 03 PARLAMENTARES do PSOL nessa Câmara de vereadores de Guarabira. Tenho certeza de que não fariam o que acabou acontecendo em Guarabira, no dia 10 de dez de 2015. Mais uma vergonha municipal, mais uma manobra típica das oligarquias do começo do seculo XX. Qual foi o preço dessa manobra? Daria para calcularmos o valor da Ética na política? Essas perguntas vão para os mais de 30 mil eleitores que votaram nestes vereadores, nesses prefeitos e vice-prefeitos que há anos se elegem e se reelegem com o voto popular. Daria para valorarmos o golpe sofrido pela nossa democracia?

Foi noticia diária nas rádios, blogs e portais ligados ao atual prefeito de Guarabira, que as contas de Fátima Paulino e Josa da Padaria haviam sido reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE/PB). Os vereadores  que eram aliados de Zenóbio Toscano e de oposição a Fátima Paulino e a Josa da Padaria fizeram uma verdadeira devassa do vermelhão. Esse tema era discutidos de manhã, na hora do almoço e antes do jantar. Os vereadores eram quase todos/as as mesmas "figurinhas carimbadas". Vejam o destaque do  Portal 25 horas para esse assunto:

Fátima Paulino e Josa da Padaria tem contas reprovadas pelo TCE (20/12/2014)

"Dois gestores passaram pela Prefeitura de Guarabira em 2012. O TCE reprovou, por maioria, a prestação de contas da ex-prefeita Maria de Fátima de Aquino Paulino (que respondeu pela administração municipal até junho) e, por unanimidade, as do ex-prefeito José Agostinho Souza Almeida (gestor até o final do exercício). O não recolhimento de contribuições previdenciárias e despesas não licitadas contribuíram, entre outras falhas, para as duas decisões, mas ao segundo gestor o TCE ainda impôs o débito de R$ 40.819,00 por despesas não comprovadas com assessoria jurídica" (http://www.portal25horas.com.br/fatima-paulino-e-josa-da-padaria-tem-contas-reprovadas-pelo-tce/).

Isso mesmo, Tanto Josa da Padaria, quanto Fátima Paulino estariam com suas candidaturas inelegíveis, ou teriam que pagar multas e repor ao erário público os recursos que não conseguiram comprovar em suas prestações de contas. Mas na Câmara de Vereadores de Guarabira, parece que sempre se dá um jeito para essas coisas.

 ex-prefeito, Josa da Padaria teve contas aprovadas 
ex-prefeita e vice-prefeito Josa e Zenóbio. Fotos extraídas dos Portais 25 horas e Paraíba Urgente - 20/12/2014 e /10/12/2015
Essa noticia de reprovação das contas de Josa repercutiu muito nas rádios e blogs de oposição ao grupo vermelhão. Mas para nossa surpresa, muita água passou por debaixo da ponte e na política entre gatos, ratos, jacarés e jardins de girassóis dos contos de fadas, não importa as cores dos cenários, se preto, azul, vermelhão ou laranja. Na hora H, ou muito depois da hora H, se dá um jeitinho e depois de um acordão, todas as contas são aprovadas, como em um passe de mágica.

Isso mesmo, em um passe de mágica, pois em meio a uma câmara de vereadores onde o atual prefeito Zenóbio Toscano, também estava com suas contas irregulares, de acordo com o mesmo TCE, com um agravante, minoria absoluta na Câmara, mas misteriosamente conseguiu ter suas contas também aprovadas. 

Esse foi o presente de Natal que os vereadores de Guarabira deram a esses três políticos, tão criticados entre eles próprios, em que um vive tentando "comer o figado" do outro. veja o destaque que o mesmo Portal 25 horas deu ao assunto, também repercutido por rádios, blogs e portais da região. 

Fátima, Josa e Zenóbio tem contas aprovadas por unanimidade pela Câmara de Guarabira (10/12/2015)

"Em sessão ordinária na tarde desta quinta-feira (10), a Câmara de Vereadores de Guarabira aprovou por unanimidade as contas dos ex-prefeitos Fátima Paulino (PMDB) e Josa da Padaria (PSB) e do atual prefeito Zenóbio Toscano (PSDB), relativas aos exercícios financeiros de 2012, nos dois primeiros casos, e 2013, no caso seguinte. O presidente da Câmara, Inaldo Júnior, atendendo a acordo firmado entre as bancadas submeteu a votação dos pareceres emitidos pela Comissão de Constituição, Redação e Justiça, em bloco, e da mesma forma das contas, aprovando as respectivas contas em definitivo" (http://www.portal25horas.com.br/fatima-josa-e-zenobio-tem-contas-aprovadas-por-unanimidade-pela-camara-de-guarabira/).

Agora vejam o que diz o Portal PB, em que, estranhamente o Prefeito Zenóbio Toscano apresenta fortes irregularidades em sua prestação de contas, trecho do artigo em que o Ex-governador Roberto Paulino é o entrevistado:

Mesmo com restrições, contas de Guarabira são aprovadas (2112/2015).

"As contas do prefeito Zenóbio Toscano, referentes ao exercício de 2013, foram aprovadas pela Câmara Municipal de Guarabira com restrição de mais de R$ 1.200.000,00 (Hum Milhão e Duzentos Mil Reais), conforme documentos do TCE-PB" (http://www.pbagora.com.br/conteudo.php?id=20151221075923&cat=politica&keys=mesmo-restricoes-tcepb-contas-municipio-guarabira-sao-aprovadas).

Isso mesmo meus senhores e minhas senhoras, contas que não batem são aprovadas pelos vereadores de Guarabira, por unanimidade. Se as bancadas estão totalmente divididas, entre a oposição ligada ao grupo paulino com cinco vereadores, os girassóis com 7 e o prefeito com apenas 3 vereadores. Bancadas onde os três políticos: Zenóbio (PSDB); Fátima (PMDB) e Josa da Padaria (PSB), podem ser pré-candidatos a prefeitos em 2016.

Como conseguiram chegar a tão absurdo acordo político? De fato o que esses ex-prefeitos, prefeito e vereadores tem em comum? Quem de fato é oposição nessa Câmara? Em quê esses políticos que estão no poder em Guarabira podem falar de Eduardo Cunha, Dilma, Michel Temer ou Renan Calheiro? todos envolvidos na lama da corrupção nacional.

Nada de diferenças, senhoras e senhores, nada mesmo. Essa política Guarabira há décadas é um grande teatro, onde o povo participa como coadjuvante, como espectadores, como figurantes. Os grupos vivem se gladiando nas sessões da Câmara, muito mais por futilidades, por picuinhas, mas ao final aprovam tudo por unanimidade. Aprovam o que já foi reprovado, aprovam o que encontra-se irregular.

Agora, talvez entendam os motivos de não me deixarem falar na Câmara dos Vereadores. Tentaram me calar, tentaram calar o PSOL de Guarabira. Na verdade eles não se opõem de fato, eles encenam e até brigam para ver quem fica com o maior pedaço do município, ou com mais cargos em órgãos do estado. Na hora H, das 24 para as 25 horas, eles se rearrumam, organizam seus palanques, botam o povo pra brigar por eles, criam as rinhas de apostas pra ver quem ganha e depois quem paga o pato? e depois quem serão os patos?

Na minha opinião, estes três políticos, ex-prefeita e ex-vice e atual prefeito, pelas irregularidades em suas prestações de contas, já deveriam ter suas futuras candidaturas impugnadas, pois o TCE, confirmou as irregularidades e o poder legislativo local foi omisso e, ao aprovar contas irregulares também compactuou com as irregularidades apresentadas. Todos estes políticos, em 2016 devem ser reprovados pelo povo de Guarabira.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Devastada pelo fogo, mata da Chapada Diamantina só se recuperará 'daqui a 15 anos'

Na integra da BBC Brasil (URGENTE)

  • 28 novembro 2015
(Foto: Rafael Duarte/CI-Brasil)Image copyrightRafael Duarte l CI Brasil
Image captionÁrea queimada próxima ao Morro do Pai Inácio
Enquanto Minas Gerais e Espírito Santo lidam com os impactos do rompimento da barragem de Mariana, a vizinha Bahia enfrenta outra tragédia ambiental: as consequências de uma das piores séries de incêndios já registradas na Chapada Diamantina, um dos símbolos do Estado e onde nascem alguns dos principais rios que abastecem a população baiana.
Depois de um mês de chamas, as chuvas que começaram a cair na última quarta-feira finalmente acabaram com o fogo, de acordo com a Secretaria do Meio Ambiente da Bahia. Nesta sexta, não eram mais verificados focos de incêndio, afirmou à BBC Brasil o secretário Eugênio Spengler.
Não se trata, porém, de um desastre que chega ao fim com o apagar da última chama. Seus efeitos devem se prolongar por mais de uma década em um local onde caatinga, cerrado e mata atlântica se encontram.
"Se não passar fogo por ali (de novo), em 15 anos é que algumas áreas começarão a se recuperar", diz o geógrafo Rogério Mucugê, coordenador de projetos da ONG Conservação Internacional na região, onde vive desde a década de 1990.
Segundo ele, esse é o prazo para que a mata ciliar, a área de floresta que protege os rios, esboce uma reação – os campos de cerrado se recuperam mais rápido. Em razão da diversidade, algumas espécies da fauna e da flora só existem ali.
Uma equipe da ONG, que estava na chapada para gravar um vídeo sobre um projeto ambiental que realiza na bacia do rio Paraguaçu, registrou o combate e o impacto dos incêndios, inclusive nos arredores de um dos símbolos da região, o Morro do Pai Inácio. Algumas dessas imagens acompanham essa reportagem.
(Foto: Rafael Duarte/CI-Brasil)Image copyrightRafael Duarte l CI Brasil
Image captionImagem aérea mostra área afetada à beira de estrada baiana
Equipes estaduais estão fazendo um levantamento dos efeitos do fogo na fauna e da flora, trabalho que irá determinar o montante a ser investido na restauração florestal, afirma o secretário Spengler. Segundo ele, a área será prioridade na alocação de recursos da pasta.
Além das consequências imediatas nas espécies locais, um incêndio dessa proporção afeta também a quantidade e qualidade da água que chega a boa parte dos baianos, e logo em tempos de seca mais severa por causa do fenômeno climático El Niño, explica o geógrafo Mucugê – homônimo, aliás, da cidade baiana onde vive.
O rio Paraguaçu, cuja nascente fica ali, abastece 85 municípios, incluindo 60% da região metropolitana de Salvador.
A chuva que caiu nesses últimos dias está longe de ser a esperada para o mês de novembro na área da chapada, tida como a "caixa d'água da Bahia", conta.
(Foto: Rafael Duarte/CI-Brasil)Image copyrightRafael Duarte l CI Brasil
Image captionBrigadistas tentam conter fogo na área englobada pelo município de Mucugê
(Foto: Rafael Duarte/CI-Brasil)Image copyrightRafael Duarte l CI Brasil
Image captionSegundo representante da Conservação Internacional na região, trabalho é como "enxugar gelo"
Segundo o coordenador de projetos da ONG, a tendência é que o quadro de seca – e, consequentemente, de incêndios – piore. Ele critica a falta de um planejamento territorial integrado para a chapada.
"A cada ano que passa a região está mais seca e, caso não haja planejamento, a tendência é a de que esses efeitos sejam piores", conta Mucugê.
"Existe a diferença entre apagar fogo e combater incêndio. Eu digo que, localmente, a gente apaga fogo. A gente elimina um foco, mas outros surgem. Territorialmente, falando-se de Chapada Diamantina, a gente ainda apaga fogo, é como enxugar gelo", diz ele.
(Foto: Rafael Duarte/CI-Brasil)Image copyrightRafael Duarte l CI Brasil
Image captionRecuperação de mata ciliar só começará daqui 15 anos, diz geógrafo
(Foto: Rafael Duarte/CI-Brasil)Image copyrightRafael Duarte l CI Brasil
Image captionÁrea terá prioridade na alocação de recursos, afirma governo baiano
O secretário estadual do Meio Ambiente afirma concordar que ainda há muito a ser feito e que, se não fosse a ajuda da comunidade, o cenário poderia ter sido ainda pior, como ocorreu em 2008, quando 40% dos 152 mil hectares do Parque Nacional da Chapada Diamantina foram atingidos pelo fogo.
Cerca de 210 pessoas, incluindo bombeiros do Estado, Defesa Civil Nacional, integrantes das Forças Armadas e brigadistas voluntários atuavam até esta sexta no local, segundo o governo. Spengler diz que o monitoramento continuará. "Não desmobilizaremos a equipe até o fim de dezembro."
Embora lembre o número de pessoas envolvidas – "essa foi a maior operação (do tipo) já registrada pelo governo da Bahia" –, e aponte uma evolução no trabalho, citando o aumento no numero de brigadas voluntárias na região – de 1 ou 2 existentes no incêndio de 2008 para as cerca de 24 atuais –, o secretário reconhece que ainda não é o suficiente.
(Foto: Rafael Duarte/CI-Brasil)Image copyrightRafael Duarte l CI Brasil
Image captionMorro do Pai Inácio, cercado por vegetação queimada
O ideal, diz, é ter uma brigada para cada um dos 42 municípios da chapada. E investir em estrutura, equipamentos, treinamento, educação ambiental, estrutura de comunicação com rádio e outros.
"Os incêndios são o maior problema ambiental que se tem na Bahia. E não só na chapada. Se queima muito em outras áreas no semiárido e do cerrado", diz.
Além de todo o desastre ambiental, combater um incêndio dessas proporções sai caro. O governo da Bahia fala em um total de R$ 9 milhões gastos.
A Polícia Civil baiana investiga a possibilidade de que alguns incêndios tenham sido criminosos. Segundo o secretário do Meio Ambiente, há algumas "coincidências" sendo apuradas, como a ocorrência de vários focos em uma mesma área, às margens da BR-242, e quase sempre no mesmo horário, no fim de tarde.
"Será que as peças quentes dos carros só caem nesse trecho?", questiona Spengler.
(Foto: Rafael Duarte/CI-Brasil)Image copyrightRafael Duarte l CI Brasil
Image captionHá suspeita de incêndios criminosos à beira de estrada