quarta-feira, 29 de julho de 2009

PROGRAMA - Estudo dos Espaços Agrário, Urbano e Industrial.



UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA
Centro de Humanidades
Departamento de Geografia e História
Disciplina: Estudo dos Espaços Agrário, Urbano e Industrial.
Carga horária de 132 horas aulas – Turma: ______
Prof. Belarmino Mariano Neto belogeo@yahoo.com.br
http://observatoriodoagreste.blogspot.com/

PROGRAMA DE CURSO

Ementa: Conceitos de espaço, território, ordem, organização, Estado, Região e processo de regionalização; Ordens, dominação e subordinação e conflitos; Panorama da agropecuária no Brasil e no mundo; A questão agrária e a luta pela terra. Globalização, modernização da agropecuária e os seus efeitos sobre as paisagens. Sistemas agropecuários; estrutura fundiária, políticas de reforma agrária e as relações de trabalho no campo. Fragmentação, remembramento; A cidade e o espaço urbano em suas perspectivas históricas; o espaço urbano na ordem capitalista e seus desdobramentos sociais, políticos, econômicos, culturais e ambientais. A indústria no tempo e no espaço; urbanização e industrialização na lógica das contradições contemporâneas; subdesenvolvimento e sub-mundialização da pobreza. O capitalismo maduro e o esgarçamento dos tecidos sócio-ambientais. O Brasil no Contexto continental e internacional. Globalização e organização do espaço brasileiro; transformações geo-econômicas e organização espacial. O capital estrangeiro na organização do espaço brasileiro.
Justificativa: Os temas apontados pela ementa da disciplina são fundamentais para entendermos a organização do espaço geográfico em escalas, dentro do contexto nacional, regional e internacional, bem como suas características e classificações em relação a outros territórios geográficos. As contradições espaciais, sócio-econômicas e ambientais que marcam a construção das categorias geográficas de paisagem, região, território, espaço geográfico e meio ambiente nortearão cada passo desse programa de curso. Os Conceitos de espaço agrário, urbano e industrial serão inseridos na dinâmica materialista da vida social em escalas até atingirmos o mundial, tanto do ponto vista de sua produção social, econômica, política, ambiental e cultural, serão bases de análise em relação aos seus impasses, relações e contradições. A ciência, a tecnologia e a organização econômica do espaço em zonas, blocos ou regiões dentro do sistema capitalista, apontam para uma lógica espacial aberta, desigual, combinada, fragmentada e globalizada. As marcas das contradições, o desenvolvimento, subdesenvolvimento e a submundialização, expressos no cotidiano da sociedade brasileira, americana e mundial são nossos caminhos de observação. Os conflitos cada vez mais latentes, a demonstração de uma territorialidade que vem permitindo novas formas de analisar o espaço geográfico a partir desse tripé: Agrário, urbano e industrial.
Objetivo Geral: Compreender as dinâmicas de organização do espaço geográfico a partir das dinâmicas agrárias, urbanas e industriais em diferentes escalas e na perspectiva e pressupostos teóricos da geografia crítica.
Objetivos Específicos: Apresentar conceitos de espaço agrário, urbano e industrial enquanto representação geográfica. Trabalhado com exemplos de escalas territoriais e suas possíveis regionalizações; Expor os diferentes momentos e formas de ocupação do território para compor o desenho espacial seja na cidade ou no campo; Apontar as problemáticas do espaço brasileiro nas perspectivas acima levantadas; Discutir sobre as políticas do Estado na perspectiva do planejamento a partir da leitura e discussão dos textos;
Metodologia: Aula expositiva dialogada; Análise comparativa de gráficos, tabelas e imagens; Debates e seminários; análise interpretativa de informações geográficas; organização de linhas temáticas para pesquisas monográficas futuras. Produção de artigos ou pequenos textos.
Recursos Materiais: “Quadro”; Retroprojetor; Imagens; Base bibliográfica; elementos cartográficos, etc.
Avaliação: Sistema contínuo com participação direta e presencial; debates, seminários, micro-aulas; fichamentos, interpretações; relatórios e produção de textos; avaliações escritas;


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1. Discutindo a idéia de espaço geográfico: Breve histórico e elementos teórico-conceituais e limitações metodológicas; As práticas espaciais e os retalhos da realidade territorial; As regiões naturais; As regiões geográficas e caracterização do ambiente holístico; potencialidades e contradições do espaço geográfico.
2. Espaço geográfico questão agrária: Dimensões da produção do espaço agrário; circuitos, sistemas, redes e funções diferenciadoras dos espaços agrários a partir da agropecuária e os problemas da modernização agrícola e das questões sócio-ambientais; tecnologias modernas e produção rural. Estrutura fundiária e reforma agrária na América latina e no Brasil; A questão agrária na perspectiva do “novo rural”; modelos degradadores a partir dos complexos agro-industriais. Produção agrícola, movimentos sociais no campo e novas alternativas agro-ambientais na perspectiva da agra-biodiversidade; globalização e modernização da agropecuária a partir de modelos do Brasil; estudo de caso da questão agrária e ambiental na Amazônia, Nordeste e Centro-sul do Brasil.
3. Estudo do Espaço Urbano-Industrial: Estrutura sócio-econômica, nação, Estado, soberania e território na perspectiva urbano-industrial. O nascimento da cidade e a dinâmica capitalista de transformação do espaço geográfico. Urbanização e Revolução Industrial; O espaço transnacional e o processo urbano-industrial periférico; cidade, indústria e capitalismo; a cidade e a produção social do espaço geográfico; Intensificação urbano-industrial do capitalismo e a hiper-complexidade das relações de poder das grandes corporações capitalista; metropolização e megalópoles: desenhos, arranjos e relações espaciais; O urbano-industrial na perspectiva ecológica.
4. A complexidade do espaço urbano-industrial: do meio natural ao meio técnico-científico-informacional. Uma reorganização produtiva do espaço e as grandes crises sócio-ambientais. Ciberespaço e cibercultura, as redes virtuais e suas relações em meio aos complexos do capitalismo maduro. Da economia internacional ao processo de globalização e submundialização dos espaços de pobreza urbana. As diferenciações regionais da urbanização a partir dos espaços que mandam e dos espaços que obedecem.

Bibliografia:
ABRAMOVAY, Ricardo. O que é Fome. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1991.
ALTIERI, Miguel. Agroecologia Bases científicas para uma agricultura sustentável. Guaiba,/RS: Editora Agropecuária, 2002.
ALMEIDA, Jalcione. A Construção social de uma nova agricultura. Rio G. do Sul: Editora da UFRS, 1998.
ATLAN, Henri. Entre o Cristal e Fumaça. Rio de Janeiro. Jorge Zahar editor, 1992.
ALENCAR, Maria L. P. de. Constituição Brasileira e a Integração Latino-americana – soberania e supranacionalidade. João Pessoa: UFPB/Universitária, 2001.
aNDRADE, Manoel Correia de. O que é questão territorial no Brasil. São Paulo: Hcitec/Ipesp, 1995.
aNDRADE, Manoel Correia de. A Terra e o Homem no Nordeste. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1970.
aNDRADE, Manoel Correia de. O desafio Ecológico: utopia e realidade. São Paulo: Hucitec, 1994.
aNDRADE, Manoel Correia de. Geografia Econômica. São Paulo: Atlas, 1998.
aNDRADE, Manoel Correia de. Espaço, Polarização & Desenvolvimento. – Uma Introdução a Economia Regional. São Paulo: atlas, 1987.
aNDRADE, Manoel Correia de. Geografia Ciência da Sociedade – uma introdução a análise do pensamento geográfico. São Paulo: Moderna, 1993.
BACHELARD, G. A Poética do Espaço. Coleção os Pensadores. São Paulo: Ed. Abril, 1984.
BEZERRA, Maria do Carmo Lima e VEIGA, José Eli da. (Coordenadores). Agricultura sustentável. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis; Consórcio Museu Emílio Goeldi, 2000. (on-line)
BREITBACH, Áurea C. de Miranda. Espaço e Sociedade: O Papel do Trabalho na Transformação da natureza. In: Estudos sobre o conceito de Região. Porto alegre, RS. N.º 13, Agosto de 1988.
Carlos, Ana Fani Alessandri. Espaço e Indústria (Coleção Repensando a Geografia). São Paulo Contexto / EDUSP, 1988.
Carlos, Ana Fani Alessandri. A cidade. São Paulo: Contexto, 1996.
CASTRO, Iná E. GOMES, Paulo C. C. e CORRÊIA, R. L. (Org.). Explorações Geográficas. São Paulo: Bertrand Brasil, 1997.
CASTRO, Iná E. GOMES, Paulo C. C. e CORRÊIA, R. L. & MIRANDA, Mariana. EGLERE, Cláudio A. G. (Org.). Redescobrindo o Brasil – 500 anos depois. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.
CASTRO, Josué de. Geografia da Fome – o dilema brasileiro – pão ou aço. Rio de Janeiro: Cultrix, 1990.
CASTRO, Josué de. Ensaios de Geografia Humana. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1980.
CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo. Ática, 2000.
Ciência Social. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.
CORRÊIA, Roberto Lobato. A Rede Urbana. São Paulo: Ática, 1993.
CORRÊIA, Roberto Lobato. O Espaço Urbano. São Paulo: Ática, 1995.
CORRÊIA, Roberto Lobato. Região e Organização Espacial. São Paulo: Ática, 1995.
COIMBRA, Pedro e TIBÚCIO, José A. M. Geografia – uma análise do espaço geográfico. São Paulo: Habra, 1993.
CORRÊA, Roberto Lobato. Trajetórias Geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.
COSTA, Francisco Fábio da. Amazônia: fronteira agrícola, populações e meio ambiente (artigo). Guarabira: Uepb, 2002.
DIEGUES, Carlos Antônio. O Mito Moderno da Natureza Intocada. São Paulo: HUCITEC, 1996.
EGLER, Cláudio Antonio G. & MOREIRA, Emília de Rodat F. Ocupação Territorial da Paraíba. In. Atlas Geográfico do Estado da Paraíba e Governo do Estado da Paraíba. João Pessoa: Grafset, 1985.
FERRY, Luc. A Nova Ordem Ecológica. A árvore, o animal, o homem. São Paulo: Ed. Ensaio, 1994.
GALIZA, Diana Soares de. Modernização sem desenvolvimento na Paraíba: 1890-1930. João Pessoa: Idéia, 1993.
GEORGE, Pierre. Geografia Econômica. São Paulo: Difel, 1983.
GEORGE, Pierre. Geografia Urbana. São Paulo: Difel, 1990.
CRAZIANO DA SILVA, José. O novo rural brasileiro. Campinas/SP: UNICAMP, 1999.
GREGORY, Derek. MARTIN R. SMITH G. (Org.) Geografia Humana – Sociedade, Espaço e
HUBERMAN, Léo. História da Riqueza do Homem. Rio de Janeiro: LTC, 1990.
JÚNIOR, Caio Prado. História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1976.
LAMARCHE, Hugue (Cord.) A Agricultura Familiar - do mito a realidade Vol. II. Campinas/SP: Editora da UNICAMP, 1998.
LOURENÇO, Antonio Fernando. Agricultura Ilustrada - liberalismo e escravismo nas origens da questão agrária brasileira. Campinas/SP: Editora da UNICAMP, 2001.
LÉNA, Philippe e OLIVEIRA, Adélia Engracia de. (Orgs.) Amazônia a fronteira agrícola vinte anos depois. Belém: CEJUP/Museu Emilio Goeldi, 1992.
MARTINE, George. Fases e faces da modernização agrícola brasileira. Rio de Janeiro: IPLAN – Inst. de Planej. n.º 15, 1989
MAGNOLI, Demétrio. O Mundo Contemporâneo – Relações internacionais 1945 – 2000. São Paulo: Moderna, 1996.
MAGNOLI, Demétrio e SCALZARETTO, Reinaldo. Atlas Geopolítica. São Paulo: Scipione, 1999.
MARITNS, José de Souza. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Hucitec, 1997.
MARANHÃO, Silvio (Org.). A Questão Nordeste – estudos sobre a formação histórica, desenvolvimento e processos políticos e ideológicos. São Paulo: Paz e Terra, 1984.
MARIANO NETO, Belarmino. Ecologia e Imaginário – memória cultural, natureza e submundialização. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2001.
MARIANO NETO, Belarmino “Capitalismo Maduro e Feridas no espaço tempo: Globalização ou Submundialização?” (artigo). Par’a’iwa – Revista de pós-graduandos de sociologia da ufpb. Nº 02 – João pessoa, junho de 2002. http://www.paraiwa.hpg.ig.com.br/02-marianoneto.html
MARIANO NETO, Belarmino “Morte Espetacular” (artigo) – CAOS – nº 04 – Agosto de 2002. http://chip.cchla.ufpb.br/caos/04 –marianoneto.html
MARIANO NETO, Belarmino. Informação Ambiental e Banalidade do Discurso. Par'a'iwa - revista dos pós-graduandos de sociologia da ufpb, João Pessoa/Pb. . http://chip.cchla.ufpb.br/caos/04-mariano.html v. 03, n. 01, p. 01-05, 2003.
MARIANO NETO, Belarmino (Líder) Terra – Grupo de Pesquisa Urbana, Rural e Ambiental – TGPURA. Universidade Estadual da Paraíba, Centro de Humanidades de Guarabira. Home page: http://www.uepb.rpp.br/, e-mail belogeo@yahoo.com.br
MARIANO NETO, Belarmino. Topofilia, Ecologia e Imaginário: os velhos cariris da Paraíba. Par'a'iwa - revista dos pós-graduandos de sociologia da ufpb, João Pessoa/Pb. . http://chip.cchla.ufpb.br/caos/04-mariano.html v. 01, n. 04, p. 01-35, setembro de 2003.
MARIANO NETO, Belarmino. Geografia Cultural e construção do individuo liberal. Portugal: http://olharesgeograficos.blogs.sapo.pt/, agosto de 2005.
MARIANO NETO, Belarmino. A produção do espaço agrário paraibano. Par'a'iwa - revista dos pós-graduandos de sociologia da ufpb, João Pessoa/Pb. . http://www.paraiwa.hpg.ig.com.br/05-marianoneto.html v. 01, n. 05, março de 2004.
MARIANO NETO, Belarmino. Vários, artigos, caderno de texto e dissertação de mestrado (on-line arquivo pdf). João Pessoa: Sebrae, http://www.biblioteca.sebrae.com.br/. 2005.(click busca por autor).
MARIANO NETO, Belarmino. & VICENTE, Paulo Benício. Ligas Camponesas em Mamanguape/PB. Par'a'iwa - revista dos pós-graduandos de sociologia da ufpb, João Pessoa/Pb. . http://chip.cchla.ufpb.br/caos/04-mariano.html v. 01, n. 04, p. 01-20, setembro de 2003.
MOREIRA, Emília de Rodat F. Capítulos de Geografia Agrária da Paraíba. João Pessoa: UFPB/Universitária: 1997.
MOREIRA, Emília de Rodat F. Notas sobre o processo de modernização recente da agricultura brasileira. Boletim de Geografia Nº 7. Departamento de Geociências/UFPB, l988.
MOREIRA, Emília de Rodat F & MOREIRA, Ivan Targino. Agro indústria Canavieira Paraibana: expansão e crise. ANAIS XI - Encontro Nacional de Geografia Agrária. Universidade Estadual de Maringá. 1992.
MOREIRA, Emília de Rodat. Por um Pedaço de Chão. Vol. I e II. João Pessoa: UFPB/Universitária: 1997.
MOREIRA, Emília de Rodat Fernandes. Mesorregiões e Microrregiões da Paraíba. João Pessoa: GAPLAN, 1989.
MORAIS, Antônio Carlos Robert. Território e História no Brasil. São Paulo. Hucitec, 2002.
MULLER, Geraldo. Complexo Agro-industrial e Modernização Agrária. São Paulo: Hucitec, 1989.
OLIVEIRA, Francisco de. Elegia para uma Re(li)gião. São Paulo: Paz e Terra, 1987.
PEREIRA, Antonio Alberto. Além das Cercas - um olhar educativo sobre a Reforma Agrária. João Pessoa: Idéia, 2005.
PERICO, Rafael Echeverri, e RIBEIRO, Maria Pilar. Ruralidade, Territorialidade e Desenvolvimento Sustentável. Brasília/DF: IICA, 2005.
RODRIGUES, Arlete Moysés. A utopia da Sociedade Sustentável. Campinas: Unicamp/Nepam. Revista Ambiente & Sociedade. Ano I. Nº 2, jan/jun 1998.
SANTOS, Milton. Por uma geografia nova. São Paulo: Hucitec, 1986.
SANTOS, Milton. Por uma outra globalização – do pensamento único à consciência universal. RJ/SP: Record, 2001.
SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo – razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1997.
SANTOS, Milton. Natureza e sociedade Hoje: uma leitura geográfica. São Paulo: Hucitec, 1997.
SANTOS, Milton e SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil - Território e sociedade no início do século XXI. São Paulo, Record, 2001.
SOUZA, M. A. de. SANTOS, Milton. SCARLATO, F. C. ARROYO, M. O Novo Mapa do Mundo – Natureza e Sociedade de Hoje: uma leitura geográfica. São Paulo: Hucitec/Anpur, 1997.
SANTOS, Milton. Espaço e Sociedade. Petrópolis: Vozes, 1992.
SANTOS, Milton. Ensaios de Geografia contemporânea (Org. Ana Fani). São Paulo: Edusp, 2001.
SANTOS, Milton. Território e Sociedade. (entrevista com Milton Santos). São Paulo: Editora Fundação Perseu Abrano, 2000.
SILVEIRA, Luciano; PETERSEN, Paulo & SABOURIN, Eric. (orgs.) Agricultura Familiar e Agroecologia no Semi-Árido – avanços a partir do Agreste da Paraíba. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2002.
SILVA, José Graziano da. O que é questão agrária. São Paulo: Brasiliense, 1982.
SILVA, José Graziano da. Modernização Dolorosa. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.
SOUSA SANTOS, Boaventura de. Pela Mão de Alice – o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 2001.
TAVARES, Carlos A. P. O São Comunidades Alternativas. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1983.
UMBELINO, A. A Geografia das lutas no campo. São Paulo: Contexto, 1988.
VEIGA, José Eli. O que é Reforma Agrária. São Paulo: Brasiliense, 1990.
VEIGA, José Eli. O Desenvolvimento Agrícola – uma visão histórica. São Paulo: Hucitec, 1991.
VERNIE, J. O Meio Ambiente. Campinas, SP: Papirus, 1994.
VIERTLEr, Renate Brigitte. Ecologia Cultural - uma antropologia da mudança. São Paulo: Ática, 1988.
WANDERLEY, Maria Nazareth Baudel (Org.). Globalização e desenvolvimento sustentável: Dinâmicas sociais rurais no Nordeste brasileiro. São Paulo: Polis/Ceres, 2004.
ZAMBERLAM, Jurandir & FRONCHETI, Alceu. Agricultura Ecológica - preservação do pequeno agricultor e do meio ambiente. Petrópolis/RJ: Editora Vozes, 2002.

domingo, 12 de julho de 2009

ONG - Vídeo sobre Memória camponesa na Paraíba

Temos um vídeo e a criação da ONG - Memorial das Ligas camponesas - Sapé - PB.
vejam link e leiam o texto abaixo, reprozido a partir do texto convite de criação da ONG.
http://www.youtube.com/watch?v=Jb4PRLOxpuE

ONG – Memorial das Ligas Camponesas – Sapé – PB.
MEMORIAL DAS LIGAS CAMPONESAS
Contatos: (83) 3283-2290
ou 8836-0340.
E-mail: ligascamponesas@hotmail.com

Sapé resgata a história das Ligas Camponesas
Fundada em Sapé a ONG - Memorial das Ligas Camponesas

Representantes de entidades e pessoas interessadas em resgatar a história das Ligas Camponesas em Sapé fundaram a Organização Não-Governamental Memorial das Ligas Camponesas. A ONG tem por objetivo resgatar a história das Ligas Camponesas, sua importância para o país e fazer justiça à memória daqueles que deram a vida na luta pelos direitos dos trabalhadores.
As eleições para a diretoria e conselho fiscal da ONG estão marcadas para o dia 06 de janeiro do próximo ano. Uma diretoria provisória foi formada para organizar os trabalhos de legalização da entidade, organização das eleições e divulgação dos eventos. A diretoria provisória é formada pelos sindicalistas Jorge Galdino de Almeida e Wilson Estevam da Costa, respectivamente presidente e diretor de patrimônio do Sindservs - Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sapé – e pela professora de história, Maria do Socorro Rodrigues Batista. Inicialmente as eleições estavam previstas para o dia 05 de novembro deste ano, mas por motivos superiores não foi possível sua realização. No dia 18/11, houve mais uma reunião dos sócios fundadores que prorrogaram o prazo de vigência da diretoria provisória e um novo calendário eleitoral foi estipulado.
As reuniões para a organização e instituição da ONG vêm acontecendo desde o mês de maio deste ano, quando foram discutidos pontos como a denominação da entidade, finalidades, detalhes estatutários e estratégias que culminaram na composição do estatuto que foi lido e aprovado no dia 05 de agosto em uma reunião histórica que contou com a presença de Elizabete Teixeira (viúva do líder camponês, João Pedro Teixeira, assassinado no período da ditadura militar); dos vereadores Garibaldi Pessoa (PT-Sapé) e Maria das Graças Costa (PT-Sobrado); Diretores do Sindservs, Jorge Galdino de Almeida, Mariza Alexandre e Wilson Estevam da Costa; Padres, José Martins (Sapé) e Hermínio Canova (Sobrado); Maria de Fátima Yasbeck Asfora, irmã do ex-vice-governador da Paraíba, Raimundo Asfora; Religiosas, Irmã Tony e Irmã Marlene; Noaldo Meireles, Advogado da CPT – Comissão Pastoral da Terra; Trabalhador rural, Cândido Alan Florêncio; Servidora Pública, Betânia Vieira de Meireles; Alunas do EJA – Educação de Jovens e Adultos, Maira do Socorro Rodrigues, Maria da Penha Silva e Alda Lúcia de Meireles, dentre outros presentes.
Na ocasião, Elizabete Teixeira fez um emocionante relato histórico contando sua trajetória e a de João Pedro Teixeira no período das Ligas Camponesas em plena ditadura militar.
A ONG está sediada temporariamente no Memorial João Pedro Teixeira, em Barra de Antas, onde encontra-se um amplo acervo sobre a vida e a trajetória do líder camponês.

Wilson Estevam, Professora Socorro,
Elizabete Teixeira e Jorge Galdino


A ONG está sediada provisoriamente no
Memorial João Pedro Teixeira em Barra de Antas-Sapé-PB

RESUMO DA HISTÓRIA DE JOÃO PEDRO TEIXEIRA E AS LIGAS CAMPONESAS EM SAPÉ

Nas décadas de 50 e 60, o sofrimento dos camponeses no Brasil não diferia muito dos dias de hoje. Essa realidade foi assim descrita por Francisco de Assis Lemos, então presidente da Federação das Ligas Camponesas da Paraíba: “...A fome, a mortalidade infantil e o analfabetismo imperavam na região. Grande parcela dos habitantes do campo sequer tinha acesso ao dinheiro. Adquiria o mínimo para a subsistência, nos barracões das fazendas, e a dívida era deduzida do pagamento que tivesse a receber. No final do mês, jamais havia saldo positivo; o camponês ficava sempre devendo. Funcionava o regime chamado cambão, pelo qual o camponês tinha de trabalhar vários dias por semana nas roças do proprietário, sem receber nenhum pagamento. Em troca desse trabalho gratuito, o camponês morava na fazenda e podia plantar para si próprio em torno do casebre”. Completando esse quadro, relata o jornalista Nizi Maranhão: “... Grandes latifundiários, donos das extensas fazendas, com inúmeros moradores que vivem miseravelmente, sem escola para os filhos, sem qualquer espécie de assistência, morando em mocambos infectos e sujeitos ao regime de cambão... São postos para fora da terra por mero capricho dos seus proprietários, sem qualquer indenização pelas lavouras, pelo pequeno sítio; o rurícola paga o seu foro em dinheiro ou em dias de trabalho, inclusive dos familiares, sem contar as arbitrariedades do patrão, como surras, ameaças de morte, prisões e espancamentos por policiais sempre dóceis e solícitos às ordens desses mandões desabusados”.

“Não me acovardo”

Foi no meio dessa situação de exploração e injustiça que nasceu João Pedro Teixeira, em 4 de março de 1918, no então distrito de Pilões, município paraibano de Guarabira. Desde criança sentiu na pele a violência dos latifundiários. Seu pai, arrendatário de um proprietário, entrou em conflito com ele, foi atacado por capangas, baleou um deles e fugiu. Nunca mais apareceu. João Pedro tinha apenas seis anos de idade.
Para enfrentar a exploração e a violência dos latifundiários e dos seus governos, os camponeses começaram a organizar-se em associações. Elas tiveram inicialmente, um caráter assistencialista e de ajuda mútua, mas logo evoluíram para a luta pela terra, defendendo a posse daquela onde já moravam e da qual tiravam sua subsistência, e o fim do cambão. Passaram a ocupar terras dos latifundiários, produzindo e resistindo às investidas dos capangas e das polícias estaduais. Essas associações foram chamadas de Ligas Camponesas. A primeira delas foi a do Engenho Galiléia, em Pernambuco, fundada em 1954; rapidamente a experiência espalhou-se pelos campos do Nordeste e de outras regiões do país.

A consciência de classe nasceu na luta operária

João Pedro Teixeira trabalhou, desde a infância, na agricultura; aos 23 anos tornou-se operário, trabalhando em pedreiras na Paraíba e, depois, em Jaboatão, Pernambuco, para onde se mudou com a mulher, Elizabete Teixeira, e uma filha. Foi na pedreira de Jaboatão que despertou para a necessidade de lutar pelos direitos e organizou os companheiros, fundando o sindicato dos trabalhadores. Desempregado e perseguido pelos patrões, voltou à origem camponesa em 13 de maio de 1954, aceitando a oferta de morar em um sítio que o sogro havia comprado em Sapé(PB).
Não demorou para reunir os camponeses, visitar suas casas e organizar comícios nas feiras, chamando-os para se unir a fim de enfrentar a realidade cruel em que viviam. Em 1958, estava fundada a Associação dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas, mais conhecida como Liga Camponesa de Sapé. À frente dela, João Pedro Teixeira, João Alfredo Dias (Nego Fubá) e Pedro Inácio de Araújo (Pedro Fazendeiro). Os ataques dos latifundiários não tardaram a acontecer. Em 14 de março de 1961, foi assassinado Alfredo Nascimento, líder dos camponeses da Fazenda Tiriri; em 23 de dezembro do mesmo ano, foi baleado outro líder, Pedro Inácio de Araújo (Pedro Fazendeiro). Apavorada, a esposa de João Pedro Teixeira chamou-o para sair da Paraíba, para longe dos inimigos, ao que ele respondeu: “Você e meus filhos podem ir; fico com os retratos, mas não me acovardo”.
Os camponeses não se acovardaram. A cada crime cometido pelos latifundiários, havia manifestações de protesto e aumentava a mobilização. A Liga Camponesa de Sapé crescia a cada dia, filiando, em três anos, 15 mil camponeses, além de trabalhadores urbanos, estudantes, profissionais liberais e pequenos comerciantes. Era uma verdadeira organização de massa e influenciava outros municípios da região.
O sangue do mártir é semente de lutadores

Os latifundiários acreditavam que, matando o líder, acabariam a Liga. Uma trama foi bem urdida. O sogro de João Pedro, que nunca concordou com suas atividades, vendeu o sítio onde ele morava a um proprietário de terras e vereador de Sapé, Antônio Vitor, que pressionou para João Pedro sair. Mas ele se recusou. O novo proprietário entrou com uma ação de despejo, contestada judicialmente e com interdito proibitório, para que ele não pudesse plantar. Certo Dia, convidaram-no para uma reunião com os advogados em João Pessoa. Não haveria reunião alguma; era parte do plano de assassinato. Prepararam uma emboscada em um ponto da estrada, onde João Pedro passaria a pé quando retornasse da capital. Dito e feito. Enquanto caminhava tranqüilamente, o líder camponês foi crivado de balas disparadas pelo fuzil da covardia e da prepotência. Seu corpo foi encontrado agonizando, com as mãos apertando contra o peito os livros e cadernos que comprara para seus filhos levarem à escola. O assassinato ocorreu em 2 de abril de 1962. João Pedro deixou esposa e onze filhos, dos quais Marluce, a mais velha (18 anos) não conseguiu superar o trauma causado pela morte do pai e suicidou-se oito meses depois. Os criminosos mataram então pai e filha.
Cinco mil camponeses da região e quase toda a população de Sapé compareceram ao enterro, marcado por protesto, pranto, o compromisso de continuar a luta, e pelas palavras de Raimundo Asfora, um deputado estadual que apoiava as Ligas: “...Não vamos enterrar um homem; vamos plantá-lo. Pararam o teu coração. Surgirão novos camponeses revoltados, outros João Pedro, numerosos lutadores. Julgaram que desapareceste. Estás agora em toda a parte”.

Os camponeses prepararam uma grande manifestação para o dia 10 de abril daquele ano, em João Pessoa, mas não a realizaram por causa da operação militar realizada por tropas do IV Exército. Na véspera, os militares aprisionaram lideranças das Ligas, simpatizantes e apoios, sob pretexto de estar dando continuidade a um inquérito policial-militar destinado a apurar a responsabilidade de pessoas que estariam usando as Ligas para práticas subversivas, inclusive o contrabando de armas. Vasculharam até as casas de dois juízes de Direito, o que causou veementes protestos e mal-estar no Poder Judiciário paraibano. Não encontraram absolutamente nada.
Era só um pretexto. Aliás, quem tinha em mãos armas privativas do Exército eram os latifundiários da Várzea. Diante disso, o ato foi transferido para o 1º de maio, tendo sido a maior manifestação popular já vista em João Pessoa. Reuniu cerca de 40 mil pessoas, entre camponeses, trabalhadores da cidade, estudantes, profissionais liberais e o povo em geral. Diante da mobilização, o governador Pedro Gondim exigiu a apuração imediata dos responsáveis e sua punição exemplar. Em pouco tempo, tudo estava revelado. Mandantes: os latifundiários Aguinaldo Veloso Borges e Pedro Ramos Coutinho, mais o vereador e proprietário de terras, Antônio Vitor. Executores: Arnaud Nunes Rodrigues, vaqueiro de Aguinaldo Veloso, e os soldados da Polícia Militar da Paraíba, Antônio Alexandre da Silva e Francisco Pedro da Silva. Todos foram condenados, menos Aguinaldo Veloso Borges, que era sexto suplente de deputado estadual e conseguiu a “renúncia” de todos os outros para poder assumir e ficar acobertado pelo instituto da imunidade parlamentar. Presos, só dois executores, soldados da PM. O vaqueiro desapareceu.


A luta continua

A luta dos camponeses de Sapé continuou, com a liderança de Elizabete Teixeira, (esposa de João Pedro), de João Alfredo Gonçalves (Nego Fubá) e Pedro Inácio de Araújo (Pedro Fazendeiro). Veio o golpe militar de 64, que proibiu o funcionário das Ligas Camponesas e interveio nos Sindicatos de Trabalhadores Rurais. No dia 1º de abriu houve prisões em massa em Sapé. No dia 7 de setembro do mesmo ano, Nego Fubá e Pedro Fazendeiro foram postos em liberdade e imediatamente, seqüestrado e “desaparecidos”. Têm-se como deles dois corpos encontrados dias depois num local ermo, perto de Campina Grande, totalmente desfigurados por violentas torturas. Elizabete, que já tinha espalhado os filhos entre os parentes e enviado um deles para Cuba, onde cursaria medicina, passou a viver na clandestinidade até a anistia. O golpe militar, que precedeu, torturou e matou camponeses, libertou os dois soldados matadores de João Pedro Teixeira.

João Pedro vive!

A História já provou e comprovo que a luta de classe só termina quando é solucionada a contradição que lhe deu origem. Nem a viol6encia particular do latifúndio nem a violência oficial do Estado conseguiram impedir o avanço da luta camponesa no Brasil, simplesmente porque não se realizou uma verdadeira Reforma Agrária. Se o problema persiste, a luta também persistirá. Morre uma centena de camponeses, milhares nascem e empunham a mesma bandeira. Destruíram as Ligas; surgiram os movimentos de trabalhadores rurais sem-terra, muitos sindicatos e federações assumiram também essa luta. Estão ocupando terras, realizando na prática a Reforma Agrária. Os líderes da luta não morrem. Seus corpos desaparecem, seus nomes e seus exemplos permanecem alimentando a gloriosa luta dos camponeses pobres e sem terra por todo este Brasil.
Maria do Carmo de Aquino, militante comunista que apoiou e assessorou várias Ligas Camponesas na Paraíba, conheceu de perto João Pedro Teixeira e, emocionada, fala do líder: “Tive uma convivência longa com João Pedro Teixeira, durante seis ou sete anos; sempre tive por ele uma profunda admiração. Era uma das maiores vocações de líder. Era humilde; nunca se encheu de vaidade por tornar-se conhecido, admirado e amado. Ele era muito autêntico. Era um revolucionário”.

MELHORES INFORMAÇÕES:

JORGE GALDINO DE ALMEIDA – Diretor de Comunicação da ONG
FONES: 83-3283-2290 / 8836-0340