terça-feira, 6 de outubro de 2015

O QUE É ECOLOGIA PROFUNDA?


Por: Coletivo Gaia Parahyba 
A natureza, cuja evolução é eterna, possui valor em si mesma, independentemente da utilidade econômica que tem para o ser humano que vive nela. Esta ideia central define a chamada ecologia profunda – cuja influência é hoje cada vez maior – e expressa a percepção prática de que o homem é parte inseparável, física, psicológica e espiritualmente, do ambiente em que vive.
Na nova era global, milhões de pessoas voltam a perceber que o sentimento de comunhão com a natureza é um dos mais elevados de que o ser humano é capaz, e fonte de grande felicidade. Não é coisa do passado ou um costume do tempo das cavernas. Ao contrário, deverá marcar as civilizações do futuro. Em qualquer tempo histórico, o convívio direto com a natureza foi e será um fator decisivo para o bem-estar físico e psicológico do ser humano.
A expressão ecologia profunda foi criada durante a década de 1970 pelo filósofo norueguês Arne Naess, em oposição ao que ele chama de "ecologia superficial" – isto é, a visão convencional segundo a qual o meio ambiente deve ser preservado apenas por causa da sua importância para o ser humano.
Ao nível superficial, o homem coloca-se como centro do mundo e quer preservar os rios, o oceano, as florestas e o solo porque são instrumentos do seu próprio bem-estar. Quando olha para o meio ambiente com esta preocupação, o homem só enxerga os seus próprios interesses, já que, inconscientemente, se considera a coisa mais importante que há no universo. Olha a árvore e vê madeira. Olha o solo e vê o potencial agrícola ou a possível exploração de minérios. Olha o rio e vê um curso d’água navegável por barcos de determinado porte. Ele sabe que deve preservar os chamados recursos naturais, porque são preciosos. A natureza para ele é um grande cofre, abarrotado de riquezas renováveis, mas que deve ser cuidadosamente preservado. Daí a necessidade de autoridades ambientais atuantes e uma boa legislação que preserve o meio ambiente.
Este nível da consciência ecológica tem importância, porque faz com que os seres humanos questionem seu comportamento econômico e comecem a perceber mais claramente que a ética, afinal, dá bons resultados. A postura mais primitiva, de mera pilhagem, vem sendo deixada de lado em grande parte da economia. As políticas públicas de meio ambiente têm reforçado até hoje prioritariamente este primeiro nível, claramente insuficiente, de consciência ambiental. A multa, a repressão, a aplicação da legislação ambiental e a fiscalização seriam instrumentos muito úteis a curto prazo, se no Brasil a política nacional de meio ambiente não tivesse sido tão persistentemente esvaziada.
Mas as boas notícias são mais fortes que as más. Uma nova consciência empresarial já repensa o conjunto das atividades econômicas a partir da meta de administrar sabiamente, a longo prazo, os recursos naturais. As gerações mais recentes de empresários e executivos trazem consigo uma forte consciência ambiental. Sua atitude é compatível com a descrição holista do universo e com a ecologia profunda. Progresso econômico e bem-estar material deixam de ser inimigos da preservação ambiental ou da busca espiritual. As novas tecnologias permitem aumentar a produção, ao mesmo tempo que se diminui, radicalmente, o impacto ambiental. O verdadeiro progresso econômico – surge agora um consenso em torno disso – deve ser socialmente justo e ecologicamente sustentável. As medidas convencionais e de curto prazo para a preservação ambiental combatem os efeitos da devastação e pressionam pela gradual adaptação das atividades econômicas às leis da natureza. Mas a ecologia profunda dá um sentido maior às estratégias convencionais de preservação. Atacando as causas ocultas da devastação, projeta e estimula o surgimento de uma nova civilização culturalmente solidária, politicamente participativa e ecologicamente consciente.
Em última instância, as causas da destruição ambiental são o individualismo ingênuo, o sentimento de cobiça material sem freios e a ilusão de que o ser humano está separado do meio ambiente, podendo agir sobre ele sem sofrer as conseqüências do que faz. Ter isto claro é importante. No entanto, não basta uma percepção teórica deste dilema ético. Além de compreender intelectualmente o princípio da unidade ecológica de tudo o que há, é oportuno vivenciar e deixar-se inspirar pelo sentimento da comunhão com a natureza. Deste modo, aprende-se a colocar cada um dos processos econômicos e sociais a serviço da vida, já que é absurdo pretender inverter o processo e colocar a vida a serviço deles.
Não há, pois, oposição real entre a ecologia convencional ou de curto prazo e a ecologia profunda ou mística. São dois níveis diferentes de consciência. Ambos são indispensáveis, e são mutuamente inspiradores. Foi em meados da década de 1980 que diversos pensadores – Warwick Fox, Henryk Skolimowski e Edward Goldsmith, além do próprio Arne Naess – começaram a produzir textos variados a partir do ponto de vista da ecologia profunda. A nova física e a nova biologia, com Fritjof Capra, Gregory Bateson, Rupert Sheldrake, David Bohm, e também os trabalhos científicos de James Lovelock e Humberto Maturana, entre outros, deram legitimidade científica à ecologia profunda. Em sua vertente religiosa, esta corrente de pensamento tem ampla base de apoio na tradição mística de todas as grandes religiões da humanidade. São Francisco de Assis, padroeiro da ecologia, está longe de ser uma figura isolada.
Cauteloso, Arne Naess recusou-se a criar um sistema racionalmente coerente – um circuito fechado de idéias – capaz de limitar o conceito de ecologia profunda, e manteve-o como uma idéia aberta segundo a qual a variedade da vida é um bem em si mesma. Para Naess, esta ecologia surge do reconhecimento interior da nossa unidade com a natureza. O fato nem sempre requer explicações e muitas vezes não pode ser descrito com palavras. Mas a ação freqüentemente mostra com clareza o que é ecologia profunda.
Em certa ocasião, um rio da Noruega foi condenado à destruição para que fosse construída uma grande hidrelétrica. As margens do curso d’água seriam inundadas para que se fizesse o lago da barragem. Um nativo do povo Sami recusou-se, então, a sair do lugar. Quando, finalmente, foi preso por desobediência e retirado dali à força, ele não teve opção. Mais tarde a polícia perguntou-lhe por que se recusara a sair do rio. Sua resposta foi lacônica:
"Este rio faz parte de mim mesmo".
O indígena estava certo. O meio ambiente faz, realmente, parte de nós mesmos. São dele o ar que respiramos e a água que compõe 70 por cento do nosso corpo físico. Dele vêm os nutrientes que renovam a cada instante as nossas células. Esta unidade dinâmica não está limitada ao plano material da vida, mas também é psicológica e espiritual, mesmo que alguns de nós não tenham plena consciência disso.
(Texto extraído da introdução do livro "A Vida Secreta da Natureza" de Carlos Cardoso Aveline).

domingo, 4 de outubro de 2015

Inscrições para Mestrado em Formação de Professores



Por: Belarmino Mariano Neto -

Estão abertas até o dia 30 de outubro as inscrições para o Mestrado em Formação de Professores da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). O público-alvo do curso são portadores de diplomas em cursos de licenciaturas, habilitados e/ou atuando na Educação Básica.
Os interessados em participar da seleção devem efetuar inscrição através do link: https://edna.uepb.edu.br/scapg/index.php, com posterior entrega da documentação na sede do Programa de Pós-Graduação em Formação de Professores, no Centro de Integração Acadêmica, localizado na Rua Domitila Cabral, S/N, Câmpus de Bodocongó, nos dias 3 e 4 de novembro, das 8h às 11h e das 14h às 17h.

sábado, 3 de outubro de 2015

Guarabira sem Osmar, por Antonio do Amaral


Artigo postado na integrada do Portal Nordeste.1

  

osmardeaquino
Osmar de Aquino: “Guarabira ou Paris). Foto: Reprodução Internet

Publicado há 20 anos, por ocasião dos 15 anos de falecimento do grande tribuno, advogado, deputado federal e ex-prefeito de Guarabira, o Dr. Antonio do Amaral escreveu um artigo para homenagear o ilustre guarabirense. Osmar foi deputado constituinte em 1945.
Contemporâneo  de Osmar, o ex-prefeito, professor da UEPB e agora Juiz de Direito, Antonio do Amaral nos fez reverenciar esse grande brasileiro.
Oito de maio de 1980, há quinze anos passados Guarabira, a Paraíba, o Nordeste e o Brasil, perdiam OSMAR DE ARAUJO AQUINO, que convalescida num leito do Hospital Santa Isabel, na Capital deste Estado.
Trinta e cinco anos passado, desde o lúgubre maio de 1980, o Nordeste1 brinda seu autores com essa crônica tão linda, viva e consistente.
Eis o texto.
Guarabira sem Osmar
O anúncio do seu inacreditável falecimento consternou a todos quantos tiveram conhecimento dessa infausta notícia.
Murchava um lírio branco nos jardins flóridos desta encantadora cidade.
O dinamismo de sua ação associada à sua extraordinária e exemplar personalidade, motivou um comentário anônimo de que demoraria décadas, para que outra mulher pudesse dar à luz, a um ser tão encantador, como era OSMAR.
Humanista que no seu quotidiano, buscava a interligação da teoria à prática.
Advogado brilhante que em suas teses jurídicas, desenvolvidas ardorosamente em defesa dos seus constituintes, pouca importância dava aos honorários advocatícios, custeando inúmeras vezes as despesas com o processo, além dos gastos com os próprios interessados.
Político apaixonado pelos problemas sociais norteava a aproximação do topo da Pirâmide Social em relação às suas bases, com o objetivo de diminuir o fosso entre os que são abastados, com os desgarrados da sorte.
Jornalista percuciente sempre reservou o seu talento intelectual, em defesa dos problemas cujas dimensões motivavam a polêmica em todos os seguimentos, chamando a atenção das classes privilegiadas, sobre a exclusão da grande massa de desassistidos, sem acesso quer aos meios de produção, quer ao capital.
Orador incomparável em suas perorações elevou o ser humano e registrou verdadeiras pérolas, na limpidez do seu penetrante pensamento, voltado para uma dialética tão convincente, que normalmente levava os seus admiradores a um verdadeiro êxtase.
Se alguém ousasse conceituar OSMAR, poder-se-ia denominá-lo de um pan-homem, voltado exclusivamente para o profundo amor que nunca deixou de dedicar aos seus semelhantes, até mesmo em condições as mais adversas.
Inesquecível fora à sua volta a este torrão, quando em instantes de indescritível inspiração, nos idos de 1964 sentenciara:    “Volto ao teu seio, terra estremecida das minhas angústias, das minhas alegrias e dos meus sonhos”.
Os caminhos palmilhados por OSMAR, procurando incansavelmente o soerguimento dos seus irmãos, faz-nos lembrar os versos Cassiano Ricardo, quando diz, referindo a outra personalidade: “Quem morreu não foi ele/ foram as coisas, que deixaram de ser vistas pelos seus olhos”.
Sua ausência é lembrada e faz falta aos nossos contemporâneos.
Não é demais dizer que Osmar pertence à categoria dos gigantes da pátria, carregando-a nos ombros e não permitindo que ela desapareça.
A visão do seu alvorecer em que o homem se firme na plenitude dos seus sonhos, ficou registrado quando afirmara: “… e mesmo dentro da noite de opressão, nós te damos as mãos dentro da escuridão, haveremos de gritar ‘chaplinianamente’ para os descrentes e aflitos: calma, os pássaros cantarão amanhã”.
A máxima Brecheteana de que os homens imprescindíveis, são aqueles que trabalham toda a vida e a vida toda, encontra ressonância quando OSMAR, certa vez e em razão de uma enfermidade que lhe abatera dissera: “Doutor Geraldo (Camilo) mantém, ainda, tiranicamente, em semi-repouso”.
Oxalá, por paradoxal que possa parecer, a presença de OSMAR, neste tributo de saudade, inspire a busca da verdade, emergindo o a amor à gleba natal, para vê-la grande de respeitada, onde os fariseus proliferam, os aventureiros dominam o povo pobre, que a tudo assiste sem saber reagir, nem como reagir e possam dos canteiros dessa fenomenal Guarabira, florir o quanto antes, milhões de lírios brancos.
Antonio do Amaral, Juiz de Direito e ex-prefeito de Guarabira.
Fonte: http://www.nordeste1.com/