sexta-feira, 27 de abril de 2012

Movimento #DESCONCENTRAUEPB!

Extraído do http://www.facebook.com/agassizejoanadarc

Rubens Pinto Lyra foi um dos primeiros professores das ciências sociais, com qual aprendi a gostar de pensar o mundo humano como principal possibilidade política de transformação social. Seu depoimento de apoio a candidatura do professor Agassiz Almeida para Reitor da UEPB, demonstra a força desse projeto por ele encabeçado,

“Quero manifestar meu apoio entusiástico à candidatura do professor Agassiz de Almeida Filho ao cargo de Reitor da UEPB. Sou testemunha da sua capacidade de articulação e de liderança, de sua competência acadêmica e de seu perfil dinâmico eempreendedor. Tais qualidades são inseparáveis de seu forte compromisso com os direitos humanos e com posições que o identificam entre os que têm como norte indeclinável de sua atuação os ideais de democracia e de justiça social.”

Rubens Pinto Lyra
Professor do curso de pós-graduação stricto sensu em Direito Humanos, Políticas Públicas e Cidadania da UFPB

Outro expoente do pensamento juridico brasileiro é o prof. ALBERTO RIBEIRO BARROS - APOIO DE PESO À CANDIDADTURA A REITOR, "O Professor Agassiz Filho tem meu total apoio na sua candidatura a Reitor da Universidade Estadual da Paraíba - UEPB. Suas propostas podem trazer um grande avanço para esta instituição de ensino"
Alberto Ribeiro G. de Barros
Professor do Departamento de Filosofia da USP

Ada Pellegrini Grinover, Professora Titular da Faculdade de Direito da USP, declarando apoio ao professor Agassiz é marcar com grafia especial a nova história da UEPB, pois é uma das mais importantes pensadoras do direito acadêmico brasileiro.“Apoio incondicionalmente o nome do Dr. Agassiz Filho para Reitor da Universidade Estadual da Paraiba.”
Ada Pellegrini Grinover
Professora Titular da Faculdade de Direito da USP



Também vale destacar a opinião do professor PAULO BONAVIDES, professor Emérito da Universidade Federal do Ceará , sobre Agassiz Almeida Filho:
" Agassiz Almeida Filho pertence à galeria dos constitucionalistas do pós positivismo.Com traços de originalidade, tem dado importante contributo às letras constitucionais do Brasil.Publicista de vocação, desfruta de merecido renome em nosso meio jurídico."

Depois de destacadas opiniões do mundo jurídico brasileiro, começamos a entender que Agassiz será capaz de em três pontos essenciais de sua carta programa:
1. Desconcentrar do poder político, econômico e administrativo do reitoria, com pró-reitores por campus e centros a partir do critério de competência;
2. Instalar as bases para o Orçamento Democrático na UEPB, com a participação dos três segmentos e em suas esferas de atuação;
3. terá base política capaz de consolidar a lei de autonomia, pois o professor Agassiz é o único candidato que atua no Direito Constitucional, sem vinculação partidária e com transito livre entre os políticos de oposição e de situação, fundamentos para dialogar e apresentar proposituras capazes de solicionar o ambíguo da lei da autonomia para a UEPB.

domingo, 22 de abril de 2012

Eleições para Reitoria da UEPB

materia extraída do site oficial da UEPB - wwwuepb.edu.br
Sex, 20 de Abril de 2012 17:36

Chapa 1 - Mônica Pereira e Ranieri Ferreira Chapa 2 - José Cristóvão de Andrade e Fábio Agra Medeiros  Chapa 3 - Eliana Maia e Juracy Régis

Chapa 4 - Agassiz Almeida e Joana Darc Chapa 5 - Rangel Junior e José Ethan 

Foi encerrado nesta sexta-feira (20), às 17h, o prazo para inscrição de chapas para o processo de consulta prévia para escolha do reitor(a) e vice-reitor(a) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Cinco chapas se inscreveram para disputar o pleito. Por ordem de inscrição, os concorrentes são: Chapa 1: “Por uma UEPB com ética e transparência”, formada pelos professores Mônica Maria Pereira da Silva (reitora) e Ranieri Ferreira Torres (vice-reitor); Chapa 2: “UEPB plural e democrática - com transparência e responsabilidade de gestão”, composta pelos docentes José Cristóvão de Andrade (reitor) e Fábio Agra de Medeiros (vice-reitor).

E, ainda: Chapa 3: “UEPB para você – Autonomia e Excelência”, formada pelos professores Eliana Maia Vieira (reitora) e Juracy Régis de Lucena Júnior (vice-reitor); Chapa 4: “#DESCONCENTRAUEPB!”, composta pelos professores Agassiz de Almeida Filho (reitor) e Joana D’arc Araújo Ferreira (vice-reitora) e a Chapa 5: “Sou mais UEPB”, composta pelos docentes Antonio Guedes Rangel Junior (reitor) e José Ethan de Lucena Barbosa (vice-reitor).

A eleição, que está marcada para acontecer no próximo dia 16 de maio, terá mais de 20 mil eleitores, entre professores, servidores técnico-administrativos e estudantes devidamente matriculados nos cursos oferecidos pela UEPB. A homologação das chapas ocorrerá no dia 23 de abril, sendo os dias 24 e 25 reservados para a entrada de recursos. A publicação das chapas homologadas será feita no dia 26 de abril.

Para a eleição que se aproxima, a Comissão Eleitoral reservou algumas novidades. Os concorrentes aos cargos poderão, por exemplo, se afastar da sala de aula para fazer campanha no período adequado. A medida tem como objetivo evitar que os professores usem o prestígio conquistado em sala de aula para tentar ganhar os votos dos alunos fazendo, assim, campanha irregular.

O edital da disputa também proíbe a propaganda por meio de material publicitário colante ou não no interior da UEPB, além da boca de urna no dia da eleição num raio de 20 metros do local de votação, tendo como limite a entrada externa do prédio onde se realiza a mesa receptora de votos.

Para a votação serão disponibilizados três tipos de cédulas, com cores diferentes, de acordo com a categoria dos eleitores. Para professor, na cor cinza; técnico-administrativos, na cor azul; e alunos na cor branca. A votação de cada segmento universitário terá peso proporcional, ou seja, os votos dos docentes, servidores técnico-administrativos e estudantes representarão 1/3 (um terço) cada um.

sábado, 21 de abril de 2012

Atlas do Trabalho Escravo no Brasil


Segue o site onde se encontra um Atlas do Trabalho Escravo no Brasil, no qual um dos autores é orientador de compas da I Turma de Mestrado em Geografia da Via Campesina em parceria coma UNESP.http://amazonia.org.br/wp-content/uploads/2012/04/Atlas-do-Trabalho-Escravo.pdf

domingo, 15 de abril de 2012

TESES EQUIVOCADAS NA APRECIAÇÃO DO PAPEL DO ESTADO NAS SOCIEDADES DE CLASSES: breves considerações

Ainda mais intrigante do que essa praxe de efetiva e entusiástica colaboração ou co-habitação de relevantes segmentos das forças de esquerda brasileiras, tem sido sua deliberada omissão em se debater acerca de tal estratégia. Raramente se ouve ou se lê – menos ainda se conversa - a esse respeito. Parece haver um consenso ideológico tão arraigado, que, com raras exceções, tende a já fazer parte da cultura dessas forças de esquerda.




Embora as inquietações-objeto dessas breves considerações se estendam também, no que é cabível fazê-lo, à figura do Estado socialista “realmente existente”, tal como o percebemos nas experiências históricas contemporâneas, inclusive as que são positivamente avaliadas, aqui esboçamos um olhar crítico principalmente quanto ao papel do Estado nas sociedades de classes não-socialistas. Não obstante, não há como ignorar que uma coisa se acha organicamente vinculada à outra. Ou seja: a luta por relações sociais alternativas à barbárie capitalista (ou de outras sociedades de classes, em geral), hão de se tomar na devida conta, a partir das práticas moleculares cotidianas, os mais distintos mecanismos econômicos, políticos e culturais que lhe dão sustentação, sempre em busca de superá-los, por meio de um duplo, articulado e permanente esforço:




- o do compromisso com o desmonte dos mecanismos e relações sociais característicos do velho regime;




- e, ao mesmo tempo, o de mostrar-nos capazes de sinalizar claramente, em todas as esferas de relação, para a criação de mecanismos, sobretudo de práticas coerentes, condizentes com a nova sociedade em construção, ainda que de modo molecular, até porque se trata de um processo em longo prazo e incessante.




Há que se reconhecer que estamos muito longe desse horizonte. Preponderam largamente graves vícios – que, aliás, se aprofundam – que devem ser, primeiro, reconhecidos, e, em se fazendo autocrítica, buscar superá-los, permanentemente. E não se trata de algo recente, em nossa trajetória, ainda que a volúpia pelo “poder” venha causando, cada vez mais, sérios estragos em vastos segmentos de esquerda (não apenas partidária; também, de movimentos sindicais, populares e pastorais sociais) com certa referência de combate. Em determinado período, esse namoro com o Estado se dava, de modo mais discreto, insistindo-se – pelo menos em palavras – em tratar-se de mera tática. Ou seja: os períodos eleitorais deveriam ser aproveitados como espaço de denúncia e de propaganda do programa alternativo aos “partidos da ordem”. A esse propósito, alguns segmentos da esquerda partidária francesa, por exemplo, parecem cumprir bem tal função, a julgar por recente debate público, a poucos dias das eleições presidenciais. Mas, isto é exceção.




O que sucede hoje, abertamente, é a sedução pelo poder, que foi acentuando-se, passando “naturalmente” de tática a estratégia, chegando hoje a sólida parceria com o Estado. Naturalmente, do ponto de vista do discurso, sempre se arrumam “bons” argumentos abstraídos do contexto de uma ou outra obra de algum clássico como pretensa justificativa de legitimação teórica de tal opção.




Se, por um lado, os clássicos não são unânimes quanto à questão de se lidar com o Estado, o Parlamento (e outros aparelhos), há neles, a partir de Marx, referências emblemáticas, a não perder de vista, alertando para a verdadeira natureza do Estado.




De fato, há uma variedade de posições - ora de participação, ora de abstenção – acerca dos pleitos eleitorais. Ainda em alguns números dos anos 80, na Revista Política Operária, de Lisboa, Francisco Martins Rodrigues nos legou valiosas contribuições a esse respeito, recorrendo aos clássicos do Marxismo. Mesmo sem pretender aqui esboçar um espectro sobre tal ponto, convém sublinhar, de passagem, que participar ou não de pleitos eleitorais burgueses depende de uma apurada avaliação da conjuntura, da correlação de forças. E, mesmo nesses casos, não se deve deixar envolver pela lógica dominante, sob a pena de sucumbir a uma homogeneização de péssimas consequências para as classes populares. É ou não isto, o que tem acontecido, na prática? Nos começos da participação, prevalece o propósito de se tomar tal decisão como mera tática. Com o passar do tempo, isto foi progressivamente transformando-se em estratégia, a ponto de tornar-se inimaginável, por exemplo, esperar-se de quem concorra com êxito a um mandato legislativo ou executivo, retorne à base, tão logo encerre seu período d gestão. Inimaginável pretender-se tal postura por parte dos partidos em geral. Consequência: à semelhança dos efeitos fulminantes de dependência provocada pelas drogas sobre seus usuários iniciantes, algo assim se passa em relação aos que se aventuram pela lógica eleitoral.




Vamos resumir nas seguintes teses o que avaliamos como equívocos recorrentes a esse respeito.




- AVALIAÇÃO INCONSEQUENTE DA NATUREZA E DO PAPEL DO ESTADO - Ainda parece raro escutamos falar-se e até escrever-se acerca de elementos avaliativos do papel do Estado no processo de dominação capitalista. No pouco que se observa, algo desponta intrigante. Em geral, não se observa, de um lado, objeção alguma quanto ao reconhecimento do lugar do Estado e seus aparelhos no modo de produção capitalista. O problema emerge quando se passa de tal constatação para sua aplicabilidade. Aqui se observa uma distância abissal. Com a maior “naturalidade”, “se esquecem” os clássicos, e passa-se a uma inserção direta e orgânica nos processos de composição com as forças e os “partidos da ordem”. A quem isto interessa? Quais as consequências teóricas e práticas dessa atitude de chocante inconsequência?




Aqui também há um agravante considerável. O que, em outras conjunturas, poderia incidir alguma dúvida e até parecer razoável fazer-se alguma concessão, quanto a tal opção, no quadro atual, contudo, o que se observa é uma flagrante sinalização a apontar, cada vez mais, para uma apreciação da existência de completa incompatibilidade entre projetos alternativos de sociedade e priorização de processos políticos eleitorais. Tal vem sendo a onda de escândalos graves, que se sucede em cadeia, envolvendo graúdos agentes estatais, nas distintas instâncias, que não há justificativa plausível, capaz de sensibilizar as classes populares em favor de semelhante aposta. Pode haver – e há, sobretudo em consequência da incessante introjeção ideológica – certo eco da parte dos setores de massas, jogados à sua própria sorte.










- PRETENDER O ESTADO COMO PARCEIRO – A avidez pelo poder, por ocupação de cargos e funções, no aparato estatal (não é pequeno o número de ex-militantes hoje a servirem as instâncias estatais, inclusive gozando de situações de privilégio), traduz-se pelo investimento vultoso nos processos de organização, manutenção e fortalecimento do Estado burguês. Daí a tomá-lo como parceiro é um passo. Parceria que se manifesta de múltiplas formas. Graças ao progressivo acesso de membros de agremiações que se pretendem de esquerda a funções e cargos de peso nos espaços estatais (em âmbito municipal, no plano estadual e na esfera federal), vai-se consolidando, mais do que uma aliança eventual, uma efetiva cumplicidade. Daí para frente, já não interessa tanto seguir fazendo críticas como antes, ainda que os fatos sejam, fundamentalmente, continuação atualizada dos fatos de outrora tão acirradamente criticados. Os tempos agora são enfrentados de outra forma. A contundência das críticas cede lugar, primeiro, a uma opinião mais cautelosa, ainda quando seja o mesmo o grau de responsabilidade dos atuais gestores em relação aos antigos. Em seguida, perdendo de vez o pudor, passando a defender incondicionalmente os desmandos praticados. Feita uma concessão de princípio, o caminho torna-se escancarado a reedição de outras, em série, cada uma mais grave do que as anteriores...










- PÚBLICO = ESTADO - Ainda segue largamente hegemônica, a tendência a uma equiparação imediata entre bens e serviços de natureza pública e gestão estatal. Pouco efeito têm surtido frequentes alertas de alguns interlocutores contemporâneos, entre os quais me vem a lembrança a reiterada insistência do Prof. Ivandro da Costa Sales, a esse respeito. Segue forte a inclinação de se remeter o que é público automaticamente aos espaços e instâncias do Estado, em suas diferentes esferas (federal, estadual e municipal). Não obstante as crescentes contradições a esse respeito (sucessivos escândalos e ocorrências clamorosos), segue, ainda assim, hegemônica essa tendência.




Ao fazermos tal contraponto, alguém pode reagir abruptamente, recorrendo inclusive a argumentos apelativos do tipo: “Se não é o Estado o lugar do Público, então a solução é entregar para o Mercado?” Não é por aí, claro: nem “privataria” nem estatolatria, contestamos. É evidente que interesse público não rima com interesses de Mercado. Uma ou outra situação que fuja a essa regra, figura apenas como rara exceção. Isto, por outro lado, não nos autoriza a sustentar o caráter PÚBLICO do Estado capitalista e seus aparelhos, até porque são componentes essenciais da engrenagem do Mercado. Se algum diálogo pode aqui haver, trata-se, antes, do “diálogo” entre o pescoço e a guilhotina... O fato de gozar, o Estado, de ampla propaganda de detentor de função pública, não nos deve fazer esquecer a lista copiosa de fatos corriqueiros a atestarem, ad nauseam, a tendência privatista que rege a máquina do Estado e seus aparelhos. Os vícios que são denunciados na lógica de Mercado perpassam os espaços maiúsculos e minúsculos do Estado. Sempre há alguma exceção. Só não vê quem não quer ver.




Urge um sistemático investimento nos mecanismos que apontam para o que temos chamado de “cultura consultiva” (termo correlato a conselho, como se sabe). Trata-se de investir, cada vez mais e melhor, nas potencialidades dos conselhos populares não oficiais (ou que outros nomes tenham). Os conselhos de gestão que se organizam no formato do sistema vigente acabam, salvo poucas exceções, impregnados por seus vícios, facilmente observáveis. Há que se apostar na cultura consultiva, o que requer, entre outras condições necessárias, um sólido e contínuo processo de formação de setores da base e da militância.




Nessa linha, importa, antes de tudo, enfrentar/combater, nas relações do dia-a-dia, os valores da cultura dominante, historicamente construídos desde as relações colonialistas. O enfrentamento e a superação desse quadro se dão, sobretudo, por meio de um processo formativo contínuo, radicalmente alternativo à grade de valores e de práticas do sistema em vigor. Processo formativo contínuo, cuja alternatividade se reconheça em seus frutos, observáveis pelo lúcido e firme enfrentamento das lutas e pelo esforço organizativo dos protagonistas.




Da farta lista de valores a enfrentar/combater, podem ser destacados alguns:




- o legado da cultura presidencialista: das elites às forças de esquerda; do ambiente familiar à escola; das igrejas às demais instituições, é introjetada, assimilada, assumida e reproduzida, em larga escala, como algo “natural”, a atitude de se atribuir ou confiar a uma pessoa (ou a um pequeno grupo) - o presidente, o governador, o prefeito, o deputado, o senador, o vereador e suas respectivas instâncias - a tarefa de fazer o que é da alçada do conjunto dos cidadãos e cidadãs. “Fulano sabe”; “Beltrano é honesto e competente”; “Ele/ela nasceu para o cargo”... Ao fim e ao cabo, levam vantagem os setores dominantes que sempre arrumam um jeito de garantir nessas instâncias suas maiorias...




Ainda há, aqui, outras consequências. Uma delas: a superestimação de um indivíduo ou o culto à personalidade pode descambar para uma situação de uma empatia normótica e até de cumplicidade entre admiradores e admirado, governantes e governados, coordenadores e coordenados, a tal ponto que isto gere uma situação afetiva de cumplicidade tal, que dificulte, ou até impeça aos admiradores tomarem a necessária distância crítica, nas horas cruciais, com perda de autonomia, e favorecendo atitudes que tendem a uma fidelidade mais a pessoas do que à causa defendida: “Amicus Plato, sed magis amica Veritas”;




- o hábito de se manter alguém ou algum grupo num cargo de dirigente por tempo indefinido: esta é uma situação de tal modo comum, que praticamente inexiste objeção a seu respeito. No cenário político-partidário, por exemplo, ocorre abusivamente. Diante de alguém eleito e reeleito indefinidamente por longos mandatos. Não é raro ouvirmos algo como: “Fulano nasceu para ser político”; “É a vocação dele/dela”... Situação similar se passa em outras instâncias institucionais e de movimentos sociais (sindicatos, movimentos populares);




- a indisposição para o trabalho em mutirão: Mesmo quando formalmente se aceita trabalhar em equipe, prevalece a tendência a deixar a uma só pessoa ou a um minúsculo grupo a responsabilidade de tocar as tarefas e tomar decisões que deveriam ser assumidas pelo conjunto dos interessados.




A partir dessa cultura secularmente sedimentada, faz-se possível compreender melhor as práticas de superestimação do papel do indivíduo na construção de uma história coletiva que, sem excluir nem subestimar a participação dos indivíduos, reconheça o lugar do coletivo na construção da cidadania.










- CONCEPÇÃO E PRÁTICAS DISSONANTES ANTE O PAPEL DO ESTADO NAS EXPERIÊNCIAS DE SOCIALISMO – Tal o desespero semeado pela barbárie capitalista, ao longo de sua trajetória, que, ao se superar suas amarras, não se tem dado suficiente atenção ao desempenho das experiências socialistas, especialmente no que se refere ao fato de não se ter conseguido dar passos convincentes em direção a uma sociedade sem classes. Em muitos casos, não se pode nem se deve esquecer o peso especial dos fatores externos. A estes, por outro lado, não se pode nem se deve associar o peso dos fatores internos. Vem-me à lembrança depoimento discreto feito a esse propósito pelo então Ministro da Educação da Nicarágua, Fernando Cardenal. Depoimento comentado num dos textos do Pe. José Comblin.




As experiências históricas – recentes e menos recentes – não têm sido suficientemente avaliadas quanto a este ponto. Mesmo aquelas experiências consideradas mais emblemáticas ou tiveram curta duração ou acabaram incorrendo, pelo menos em parte, nos vícios do velho sistema que se pretendia superar. Embora não seja este o momento de fazer um balanço nessa direção, tratamos apenas de esboçar algumas intuições acerca desse impasse.




Não faltam alertas dos clássicos em relação à natureza do Estado, quanto ao seu real papel (de comitê da classe dominante) em toda e qualquer sociedade de classes – e o Socialismo é, como se sabe, uma sociedade de classes -, de tal modo que o Socialismo é tomado como uma experiência de passagem, um mal menor, até que se consiga reunir condições rumo à extinção do Estado e seus aparelhos e rumo a uma sociedade sem classes (e, portanto, sem Estado).




Não obstante o amplo consenso, no seio das forças de esquerda, a esse respeito, as relações sociais do cotidiano, ainda que positivamente diversas do antigo regime, sob vários aspectos, padecem de vícios recorrentes do antigo regime. Aqui o partido único assume objetivamente o papel de classe dominante, em nome do proletariado, e em orgânica cumplicidade com os aparelhos de Estado. Agindo objetivamente enquanto classe dominante, os novos dirigentes passam a gozar de amplos privilégios em relação ao conjunto dos demais cidadãos. Passam os anos, e não se dão passos concretos em relação à sociedade anunciada. Não há interesse da parte dos privilegiados: a manutenção da situação lhes convém. O que era, na origem, uma passagem, termina sendo institucionalizado, abortando o movimento original. A propaganda, então, passa a tomar um lugar expressivo, a veicular toda uma ideologia que não se sustenta em fatos concretos, mas em discursos bem tecidos. Sempre há exceções, mas estas não infirmam a regra...




A despeito dos objetivos de origem – de construir uma sociedade sem classes, e portanto sem Estado -, tais objetivos ficam adiados indefinidamente. Já não se trata de derrubar a pirâmide social, símbolo da superposição de classes. Contenta-se agora com mera troca de posição entre os antigos dominantes e os atuais. Já não se trata de mudar o modo de organização por meio da derrubada do formato de pirâmide, agora se trata de inverter posições dentro da mesma organização piramidal...










- IMPLICAÇÕES CONCRETAS DESSES EQUÍVOCOS – São bastante amplas as implicações concretas desse quadro, alcançando distintas esferas da realidade. No âmbito econômico, percebe-se que a tendência antes seguida como referência-mor das forças de esquerda, agora passa a ter como meta apenas uma pauta de conquistas fragmentadas e etapistas, de cunho claramente moldado à lógica do establishment, remetendo a um futuro fantasioso os compromissos de transformação estrutural. As políticas econômicas (e as demais) seguem o ritmo da agenda oficial. mais centrada nas metas formais e a serem aplicadas a conta-gotas, em sintonia com a lógica do Estado e seus aparelhos, em indefectível sintonia com os interesses do Mercado. O compromisso constitucional de universalização das políticas públicas – não apenas as de caráter estritamente econômico – resultam numa figura de retórica, mera formalidade.




Assim ocorre em relação a condições dignas de trabalho decente; de democratização da terra (Reforma Agrária); da demarcação e regularização das terras indígenas, das terras de comunidades quilombolas e de outros povos tradicionais; dos serviços públicos e de qualidade de saúde, previdência; dos serviços de educação de qualidade; dos serviços de transporte público; de moradia decente para todos, etc. E isto se deixa de fazer, em proporção direta ao escancaramento do erário, dos recursos naturais, das riquezas públicas, inclusive por via de renúncia fiscal, em favor dos grandes conglomerados transnacionais. Um dos sintomas dessa realidade incide sobre as escandalosas taxas de lucro auferidas pelo sistema financeiro, alguns de cujos segmentos dando-se ao luxo de investirem em aquisições (legais ou por grilagem) de extensas áreas de terras, que deveriam ser destinadas à Reforma Agrária... Incidência não menos grave no que diz respeito às à política ambiental.




Enquanto isso se sucedem abusivamente os escândalos, implicando os mais graúdos agentes do Estado, em orgânica cumplicidade com os interesses do Mercado – e do Mercado em sua versão mais abominável. Enquanto isso, um tempo cada vez maior da mídia comercial é tomado para fazer circular, em seu noticiário, em proporão tal, que chega a concorrer com programas de banalização da violência social. As classes populares que, além de vítima de uma crescente violência social, também se veem obrigadas a sustentarem um Estado perdulário, com agentes que sugam da sociedade até a última gota. Veja-se o caso do Parlamento, envolvido em sucessivos escândalos, que, além de extorquir o erário, também reduz parte expressiva de suas funções e de seu tempo a investigar práticas de bandidagem interna. Enquanto isto, vamos brincar de circo, com os preparativos da Copa (outra sangria escandalosa, além das implicações no aviltamento de valores...). E as eleições?




Nem tudo está perdido! A quem tiver olhos para ver, ouvidos para ouvir, mãos para tocar, pés para caminhar, coração para sentir, é dado acompanhar, com alegria e esperança, o que segue passando-se, em mutirão, nas “correntezas subterrâneas”, nas experiências de “fogo de monturo” (expressão de João Pedro Teixeira), grávidas de um novo amanhecer.










João Pessoa, 14 de abril de 2012.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Leveza Brutal


              

Fotografia de Érica Mariano, 2008.


Belarmino Mariano Neto


Às dez horas de uma manhã de maio seguia pela BR 230 rumo ao Agreste paraibano em minha motocicleta Honda NX 150 ESD. Por volta do km 67 e a mais de cem quilômetros por hora, meus pensamentos estavam todos tomados pelos 180 graus de veloz olhar geográfico da paisagem que se descortinava naquela manhã de céu azul que contrastava com os verdes canaviais e resquícios da mata-atlântica.


Na suavidade do instante e na leveza brutal dos acontecimentos uma borboleta multicolorida espatifou a sua liberdade contra o meu peito. Nas asas da minha liberdade de 150 cilindradas e a mais 100 por hora a leveza de uma borboleta partiu meu peito em pedaços e senti no peso do capacete que o mundo era sensível.


Nesse momento o céu acinzentou e mortes cruéis tomaram conta dos meus pensamentos de velocista em duas rodas. Nas margens da BR, cadáveres de pequenas raposas, cães, gatos e até jumentos, eram banqueteados pelos urubus.


O céu acinzentado anunciava uma chuva que se aproximava faceira, trazida pelos alísios do sudeste e que com certeza lavaria meu casaco preto de couro sintético. Enquanto continuava a viagem senti um profundo frio na espinha dorsal e aquela fina chuva começou a cair.


Os pingos se lançavam contra o meu capacete e molhava todo aquele corpo signal de moto e homem em alta velocidade. Sentia que as tinturas e fragmentos de asas da borboleta escorriam pelo blusão e se misturavam as pernas da calça jeans azul desbotado até tingirem o negro asfalto com os fragmentos atômicos do que era uma liberdade multicolorida.


A liberdade era cercada em todas as suas propagandas de refrigerante, calças jeans, moto e placas de beba coca-cola. Nada mais possuía o mesmo sentido, pois minha frenética velocidade havia esbarrado no símbolo máximo da metamorfose ambulante. A borboleta tatuada em meu corpo ganhava um sentido literal de papion acorrentado, pois de agora em diante minha borboleta estava presa a uma liberdade sem asas.

Capitalismo maduro e feridas no espaço tempo: globalização ou submundialização?

 
Por Belarmino Mariano Neto 
            Este artigo se apresenta como uma contribuição ao debate sobre a modernidade e as teorias sociológicas discutidas ao longo da disciplina Teoria Sociológica I, ministrada pela professora Drª Tereza Correia da Nóbrega Queiroz. É uma narrativa objetiva de fragmentos do mundo moderno, natural e social construídos no decorrer dos últimos séculos.
Não estamos querendo nos colocar como estudiosos do mundo total, ou intérpretes do mundo contemporâneo globalizado. Mas, apenas fazer uma interpretação de fragmentos tempo/espaciais para a construção do conhecimento.

GEOGRAFIA DAS ÁGUAS: ESTUDO GEOAMBIENTAL DO MÉDIO CURSO DO RIO MAMANGUAPE-PB

43 - Geografia
Linha de Pesquisa: Ecossistemas e Impactos Ambientais nos Espaços Urbanos e Rurais.
Titulo: GEOGRAFIA DAS ÁGUAS: ESTUDO GEOAMBIENTAL DO MÉDIO CURSO DO RIO MAMANGUAPE-PB
Autor: Roberto Bezerra da Costa
(Orientador) Prof. Dr. Belarmino Mariano Neto UEPB/CH/DGH
(Examinador) Prof. Esp. José Eduardo de Santana UEPB/CH/DGH
(Examinador) Prof. Ms. Robson Pontes Freitas de Albuquerque UEPB/CH/DGH
 
 
RESUMO
 
O objetivo desta pesquisa foi analisar os impactos socioambientais do médio curso do rio Mamanguape. As bacias hidrográficas que passam por áreas urbanas estão sujeitas as intervenções das ações humanas, bem como entender a organização social de ocupação das bacias hidrográficas enquanto território das águas e dos usos e abusos socioeconômicos. Utilizou-se como base empírica, análise de dados documentais em gabinete e levantamentos georeferenciado no campo durante os trabalhos de campo. O trabalho foi pautado em dez visitas de campo ao longo do médio curso do rio Mamanguape, considerando as áreas de ocupação canavieira, áreas de assentamento rural, zona rural e zona urbana das cidades que perfazem o percurso estudado. Num primeiro momento foi realizada uma viagem de reconhecimento e mapeamento da área de estudo, para uma caracterização da bacia. Nas viagens posteriores foram levantados e georeferenciados 13 pontos de atividades sócio-econômicas, bem como ações humanas causadoras de impactos ambientais no meio natural. Durante as viagens geográficas, foram entrevistados vários atores sociais que em suas falas, deram testemunho dos conflitos gerados na relação homem-natureza, também ficou claro na participação destes atores sociais a possibilidade de colaboração em trabalhos de campo que incluam as comunidades ribeiras. Enquanto considerações finais a partir da interpretação dos dados levantados e analisados, identificou diversas áreas com ação impactante interferindo sobremaneira nos segmentos: ambiental, sócio-econômico e cultural. A cobertura vegetal constituída pela mata ciliar se encontra degradada com perda de sua biodiversidade e recursos naturais (água, solo e avifauna); assoreamento de canais fluviais, com perda de solo e sedimentos que são carreados para a calha do rio; contaminação das águas fluviais ocasionada pela emissão de efluentes de esgoto doméstico e lixo sólido dos centros urbanos; desmatamentos gerados pelas atividades agropastoris; extração de areia e argila, alterando o leito do rio; prática de agricultura obsoleta (queimadas); peças históricas que fazem parte da modelagem geográfica, abandonadas, sendo erodidas pelo tempo. Enquanto o rio corre profundamente degradado pelas ações socioeconômicas.
 
Palavras-chave: Águas, Degradação e rio Mamanguape.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

DO TERRITÓRIO DE EXPLORAÇÃO AO TERRITÓRIO DE ESPERANÇA:

Por:
Diego Pessoa Irineu de França
Belarmino Mariano Neto
Cleityane Sabino Freire

Introdução

O Presente trabalho busca discutir o processo de apropriação do espaço por um
grupo de assentados que ao conquistar a terra estabeleceram uma nova forma de
organização territorial que por sua vez, propiciou uma reconfiguração nas relações de
trabalho preexistentes. Essa forma de apropriação camponesa do espaço considerada
como um processo de luta, tanto para a conquista da terra como para a permanência,
entendemos como a  conquista  e ao mesmo tempo a  construção  de “territórios de
esperança”.
Essa forma de abordagem do território vem sendo construída por Moreira e
Targino (2007) na pesquisa que envolve as diversas frentes de luta pela terra na Paraíba.
Porém, não se restringe a compreensão do ganho da terra, mas também as diferentes
formas produção através das quais os camponeses garantem sua existência a partir do
trabalho familiar.
Leia o artigo na integra:
http://www4.fct.unesp.br/ceget/ANAISXII/GT2/TRABALHOS/GT_2_11Diego.pdf

terça-feira, 10 de abril de 2012

TERRITÓRIO(S) DE ESPERANÇA: Uma contribuição metodológica para o estudo de assentamentos rurais.



Diego Pessoa Irineu de França ( Graduando/UEPB/CH)





diego.pe.ssoa@hotmail.com





Belarmino Mariano Neto (Professor Dr. UEPB/CH)





belogeo@yahoo.com.br





Emília de Rodat Fernandes Moreira (Profª. Dra. UFPB/CCEN)





emilia@funape.ufpb.br










RESUMO










O objetivo deste artigo é apresentar de maneira sistemática uma alternativa para o estudo de assentamentos rurais que leve em cosideração os seus diversos aspectos, culturais, políticos, econômicos e consequentemente sociais. Deste modo, buscamos entender o assentamento a partir da categoria de análise “terrritório” definida por SOUZA, 2005; HAESBAERT, 2004) que nos permite compreender o espaço geográfico numa instância de poder. Utilizando a mesma metodologia que resultou na obra Por um Pedaço de Chão da Professora Emília de Rodat da UFPB. Foi traçado como procedimento metodológico: pesquisa empírica, documental, fotografica, cartográfica e de referencial teórico, que, depois de executados, pode propriciar um bom estudo das áreas de assentamentos e acampamentos e que auxiliarão aos estudantes e pesquisadores da Geografia Agrária e de outras disciplinas que desejem estudar a problemática agrária nesta pespectiva.










Palavras chaves: Território, Metodologia, assentamnetos rurais.







INTRODUÇÃO




A implementação dos assentamentos rurais e sua consequente territorialização nos espaço surge à medida que se tem conflitos, seja por por terra, água, moradia ou outros recursos. Neste sentido é importante alternativas metodológicas que deem conta de entender as mudanças ocorridas no espaço geográfico nos aspectos sociais, economico e cultural (ALVES & SILVEIRA, 2008).

A questão agrária não é algo novo no Brasil e advem do período colonial, com as primeiras formas de organização e doação das terras em forma de Sesmarias (STRAZZACAPPA, 2006). Mesmo as mudanças políticas realizadas ao longo de quase quinhentos anos não foram suficientes para extinguir o alto grau de concentração das propriedades em todo o país.

O processo de exclusão no campo chega a patamares tão altos que os conflitos, as vezes, são inevitáveis. De acordo com Fernandes (2008) as lutas por desapropriação de terras improdutivas  dos governos Fernando Henrique Cardoso(FHC) e Lula somam juntos 90% das acupações, de modo que o número de assentamentos criados em todo o país permaneceu quase sem alteração no mesmo periodo, atingindo 89% ao todo. Se comparados os dados aos do período anterior dos governos Collor,Itamar e Sarney, notaremos que apenas em um mandato do governo FHC, o número de acampados e assentados supera em quase três vezes os desses governos.

Isso é resultado principalmente das pressões sociais realizada pelos movimentos sociais que através das mobilizacoes conseguem fazer com que o poder público antecipe a distribuicão das terras improdutivas para fins de refoma agraria.

Neste sentido, estudar os assentamentos rurais tem um importante papel social, pois estes atualmente representam uma esperança de mudança na produção de alimentos limpos livres de agrotóxos bem como marcam uma nova política voltada à amenizar as desigualdades sociais, que se iniciam com a exclusão de muitas famílias  da terra e dos meios de produção, e se reflete até nos problemas urbanos.



IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA E JUSTIFICATIVA




Primeiramente deve-se identificar o interesse pela temática que será estudada. O exemplo utilizado neste artigo será o da pesquisa “território(s) de esperança” com enfoque para a questão agrária no Agreste da Paraíba,  que surgiu a partir da demanda dos movimentos sociais e das organizações não governamentais que lidam com a questão da terra na Paraíba. Depois, estabelecer recorte histórico que limitará temporalmente o perído a ser estudado. Neste caso, estabelecemos os anos entre 1996 a 2009 que consideramos de suma importância para alcançar os objetivos da pesquisa que podem variar de acordo com a finalidade de cada pesquisador. O intuito aqui,  é de atualizarmos o estudo realizado com o apoio do CNPq, sobre a luta pela terra e pela sobrevivência na terra no Estado entre 1970 e 1995. Tal estudo resultou na publicação, em dois volumes, pela Editora Universitária da Paraíba, da obra “Por um pedaço de chão” (MOREIRA, 1997), que tem servido de suporte tanto para ações dos movimentos sociais, de ONG’s e do INCRA, como para estudos e pesquisas que abordam a questão agrária no Estado.

Esta pesquisa faz parte de um estudo envolvendo a temática de “Territórios da Esperança” no Estado da Paraíba, ficando o Centro de Humanidades através do Departamento de Geografia e História responsável pelo desenvolvimento de estudos na Mesorregião do Agreste, assim, o plano aqui apresentado visa o estudo dos assentamentos rurais e de terras com conflitos nas cidades de Bananeiras, Serraria e Solânea especialmente nos assentamentos das áreas do Caboclo (Pa. Nª Sra. das Graças), Raposa (Pa. Nª Sra. do Perpeto Socorro) e Olho D’agua (Nª Sra. do Livramento) que estão localizados na Micreorregião do Curimataú Oriental e Ocidental do Agreste paraibano.

É importante deixar bem claro os aspectos que serão analisados no(s) assentamentos pesquisado(s). Neste caso para o presente, serão levados em consideração a questão agrária e a questão ambiental decorrentes da semi-aridez  agrestina e também relativa ao território com escacez de água que provoca diversos conflitos territoriais.



DEFINIÇÃO DOS OBJETIVOS



            A medida que temos bem claro estes aspectos, o próximo passo é traçar obejetivos geral e específicos que deem conta de analisar e compreender os assentamentos. A seguir apresetaremos exemplos simples que foram utilizados  na presente pesquisa.

            As histórias da luta pela terra e pela sobrevivência na terra no Curimataú Oriental e Ociendantal entre 1996 e 2009, na busca da construção de “território(s) de esperança”, visando contribuir com a produção de um conhecimento voltado tanto para subsidiar estudos e pesquisas sobre a produção do espaço camponês, dos assentamentos é o foco central deste estudo. Para atingir este proposito, pode-se traçar outros esppecíficos que axiliam no desenvolvimento da pesquisa através de etapas fundamentais para a obtensão de bons resultados, tais como:

  • Aprofundar a discussão teórica sobre território e sobre a noção aqui apresentada de “território(s) de esperança” de modo a melhor fundamentar o trabalho proposto;
  • Identificar e mapear o(s) assentamento(s) rurais eclodidos a partir de 1996, segundo os municípios escolhidos;
  • Compreender os fatores responsáveis pela eclosão dos conflitos de terra em cada área estudada;
  • A partir da pesquisa direta, descrever e analisar as atuais formas de organização da produção e do trabalho em algumas áreas de assentamentos rurais representativas do Agreste enquanto uma Mesorregião geo-econômica do estado que resultaram dos conflitos e geram os assentamentos;
  • Levantar, descrever e analisar as formas singulares de organização social nos assentamentos rurais estudados;



            Feito isso, deve-se buscar definir a metódoogia ou as metodológias adequadas que serão utilizadas pelo trabalho de modo que, a pergunta a ser feita é: como chegarei aos objetivos propostos? Esta, deve ser respondida pela metodologia escolhida, tendo como base objetiva a pesquisa empírica confrontada com o arcabouso teórico apresentado e a própria história de vida dos assentados.



METODOLOGIA



Para analisar e compreender a história de lutas e conflitos pela terra  no Curimataú paraibano, consideramos o espaço geográfico segundo Santos (1996) um espaço socialmente produzido, que “através do trabalho, o homem exerce ação sobre a natureza, isto é, sobre o meio, ele muda a si mesmo, sua natureza íntima, ao mesmo tempo em que modifica a natureza externa” (SANTOS, 1997b, p.64).

Assim, o espaço geográfico não é algo acabado, e sim dinâmico, bem como o espaço agrário, são constituídos historicamente pelo trabalho do homem sobre as relações com a natureza e sobre próprio homem que segundo Santos (1997b, p.70) “o espaço geográfico deve ser considerado como algo que participa igualmente da condição do social e do físico, um misto, um híbrido”. O espaço agrário enquanto relação de poder traz a pertinência do estudo geográfico a partir da categoria ‘Território’.

Haesbaert (1997) sistematiza a sua idéia de território em três vertentes consideradas básicas, quais são: a jurídico-política; a cultural (ista) e a econômica. Para Bordo ; Silva et al (2004) o território na  abordagem jurídico-política, é visto como um espaço delimitado e controlado sobre o qual se exerce um determinado poder, especialmente o de caráter estatal.

Apesar da tentativa de sistematização, existem diferentes abordagens conceituais do território, mas dois aspectos são fundamentais para a compreensão, são as noções de apropriação e de dominação (SOUZA, 2005; HAESBAERT, 2004). Cada autor vai trazer essas duas referências em seus estudos, seja nas sobre linhas dos textos ou de maneira explícita, seja na discussão do território enquanto Estado-Nação ou na abordagem cultural.

Souza (2005) aborda o território de múltiplas maneiras, para o autor o território é definido e delimitado como um espaço a partir da relação de poder, indiferente de sua gênese (recursos naturais, identidade e cultura, etc.), mas Souza (2005, p.79) afirma que importante saber “quem domina ou influencia e como domina ou influencia esse espaço?”. O autor traz a idéia de existir no mesmo espaço, territórios com funções diferentes, sua abordagem é multiplicidade da abordagem bem como suas diversas funções.  Para o autor, a autonomia é base para o desenvolvimento, na qual, a sociedade teria uma maior liberdade e menos desigualdade. Este território é visto como base da cultura e dos recursos que se dá de maneira acessível a todos.

Na Geografia Agrária, Oliveira (2005) afirma que para analisar a agricultura sob o sistema capitalista é necessário partir da compreensão do desenvolvimento do modo capitalista de produção mundial. O autor afirma que o território deve ser apreendido como: “síntese contraditório, como totalidade concreta do processo/ modo de produção/ distribuição/ circulação/ consumo e suas articulações e mediações supraestruturais (políticas, ideológicas, simbólicas etc.) em que o Estado desempenha a função de regulação” (OLIVEIRA, 2005, p.74).

Como afirma Oliveira (2005, p. 76) “o capital não se territorializa, mas monopoliza o território marcado pela produção camponesa”. Ele argumenta que a formação territorial brasileira é um processo contraditório de concentração de população nas metrópoles, nas capitais regionais e de modo geral na cidade. O que ocasiona uma territorialização do capital no campo, pois os proprietários de terras têm o poder, mesmo que o desenvolvimento da agricultura camponesa vá contra o sistema capitalista, mas esses pequenos produtores camponeses ficam a mercê do capital.



PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 



Do ponto de vista metodológico, o trabalho utilizará a mesma metodologia adotada na pesquisa que resultou na obra “Por um pedaço de chão”, que consistiu na pesquisa empírica, com visitas as áreas de conflitos ou projetos de assentamentos em processo de fixação. Também trabalhamos com o paradgma indiciário e rastreamento das áreas de tensão, conflitos e resistência dos camponeses. Um dos indícios para a pesquisa documental, foram os arquivos do INCRA Paraíba, Arquivos da CPT, acompanhamento de reuniões e encontros dos camponeses, romarias da terra e pesquisa em Jornais, revistas e outros informativos dos movimentos sociais no campo ou de organismo do Estado. Agora buscamos aprimorá-la. Para tanto, uma série de procedimentos e técnicas de investigação serão utilizados, quais sejam:

a) levantamento bibliográfico. Este levantamento será realizado junto a bibliotecas das Universidades do Estado da Paraíba e de Estados vizinhos, bem como através da internet nas páginas do Data-Luta, da CPT, do MST, e outras de interesse, nas páginas dos cursos de graduação e pós-graduação em Geografia e ciências afins que divulgam monografias, dissertações e teses, no banco de teses da CAPES entre outras;

b) levantamento documental. Um amplo levantamento documental será efetuado junto ao INCRA, ao Instituto de Terras da Paraíba, aos Sindicatos de Trabalhadores Rurais e à Federação dos Agricultores da Paraíba-PB, à CPT e ao MST;

c) levantamento de notícias de jornal. O estudo anteriormente efetuado demonstrou a importância do resgate das informações veiculadas pela imprensa para a recuperação das histórias dos conflitos de terra na Paraíba. Pretendemos utilizar a metodologia já experienciada de levantar e fichar as notícias referentes aos conflitos através da pesquisa direta junto aos arquivos dos principais veículos de comunicação do Estado e fazer um confronto das informações com a realidade dos fatos;

d) construção de um banco de dados - Será construído um banco de dados para abrigar:

- os fichamentos da documentação levantada e das notícias de jornal em ordem cronológica, segundo os municípios e as microrregiões que compõem o estado da Paraíba;

-os elementos para a elaboração de uma tipologia dos conflitos de terra e para a confeccão de mapas temáticos tais como: o tipo de conflito, as categorias de trabalhadores envolvidas, a área do conflito, a distribuição dos conflitos por município e microrregião, as formas e ações de violência identificadas durante o conflito, a identificação dos mediadores/aliados, as formas de atuação do Estado e da classe patronal, entre outros;

-informações sobre os assentamentos rurais do Agreste da Paraíba levando em consideração o número de famílias assentadas, a área ocupada pelo assentamento, a data da criação do assentamento, a origem do assentamento, as formas dominantes de organização da produção e do trabalho, a presença de plantio de cana  e outras matérias-primas industriais nos lotes, a presença de assalariados da cana nos assentamentos, etc.

A construção desse banco de dados deverá ser orientada do ponto de vista técnico por um especialista.

e) pesquisa de campo - A pesquisa de campo será realizada em acampamentos e em áreas de assentamento prévia e intencionalmente escolhidos. Ela terá como meta:

·         o resgate da história oral dos conflitos a partir da realização de entrevistas com os atores sociais envolvidos (trabalhadores, representantes dos movimentos sociais, de entidades de classe, de organizações não governamentais, instituições governamentais e representantes da classe patronal);

·         a identificação das formas de organização econômica, social e política dos assentamentos originados dos conflitos a partir do levantamento das informações através de entrevistas, de oficinas a serem efetuadas com a participação dos assentados e da experiência de vivência nos assentamentos;

·         a identificação das formas de vida nos acampamentos através da realização de entrevistas;

·         o levantamento das perspectivas de futuro dos trabalhadores durante o conflito e depois da instalação dos assentamentos através da realização de entrevistas e da aplicação de questionários;

·         a participação em eventos que envolvam trabalhadores das áreas de conflito e de assentamentos e nas reuniões mensais da CPT;

·         a realização com os professores pesquisadores e alunos colaboradores, de estágios de vivência em acampamentos, áreas de conflito e assentamentos rurais do Estado, visando obter informações mais detalhadas sobre as questões básicas que envolvem o projeto;

f) a sistematização das informações obtidas. Todas as informações obtidas serão organizadas de forma cronológica e estruturadas de modo a possibilitar a recuperação das formas de organização da produção e do trabalho anteriores ao conflito, dos fatores responsáveis pela eclosão dos conflitos e a história dos mesmos, da forma inicial e atual de organização sócio-econômica, política e cultural dos assentamentos deles resultantes e das perspectivas, e esperanças/desesperanças dos trabalhadores envolvidos. Essas informações organizadas darão origem às histórias dos conflitos e a descrição e análise da situação atual dos assentamentos de reforma agrária no Agreste da Paraíba;

g) a documentação fotográfica - A documentação fotográfica será realizada ou levantada (no caso de conflitos findos ou da existência de um material já existente) para servir como elemento ilustrativo dos estudos efetuados.



Principais contribuições cientÍficas ou tecnológicas da pesquisa



Esta pesquisa terá um importante papel na atualização de dados sobre a questão agrária na Paraíba, tanto para subsidiar novas pesquisas em nível de graduação, especialização, mestrado e doutorado; quanto para apresentar dados efetivos das áreas de assentamentos do Agreste e da Paraíba que ajudaram as ONG’s, Sindicatos e Associações de camponeses na luta pela terra ou na luta pelo cumprimento de políticas públicas que estejam voltadas para os camponeses em seus “territórios de esperança”.

A pesquisa vai formar um banco de dados e sistematizar as informação para que as instituições de ensino, pesquisa e extensão, possam trabalhar seus projetos na área rural com maior segurança e cientificidade. Pois a pesquisa e sua atualização contribuirá cintificamente para entendermos as atuais mudanças no perfil agrário paraibano e agrestino, bem como, as condições de vida, trabalho e moradia das familias assentadas ou que ainda estejam lutando por um pedaço de terra para viver e trabalhar.

Com este projeto e a parceria com a UFPB em um projeto maior que abrange a questão agrária em todo o território paraibano, teremos condições de produzir um banco de dados, com imagens, iconografias, textos, mapas temáticos, gráficos e tabelas que estão a disposição do público para subsidiar tanto novas pesquisas, quanto ao fomento de políticas públicas para os camponeses paraibanos.

A nossa intenção é a produção coletiva de um livro sobre os “Territórios da esperança na Paraíba” que exponha todos os dados da pesquisa em escala estadual (pesquisa da professora Emilia de Rodat e equipe) e a nossa pesquisa sobre as áreas de assentamentos da Mesorregião do Agreste paraibano. Outra preocupação é com a elaboração de artigos cientificos a serem apresentados em congressos, encontros e/ou seminários da área de Geografia Agrária.



CONSIDERAÇÕES FINAIS



Este artigo buscou apresentar de forma sistemática uma alternativa metodológica para a realização de pesquisas na aréa da Geografia agrária com enfoque para os assentasmentos rurais que aqui são considerados como Territórios de Esperança.

Portanto existe uma demanda muito grande de atualização dos dados referentes as condiçoes de vida e questões ambientais nos assentamentos tendo em vista a eclosão, nos útimos anos, de vários conflitos que resultaram em projetos de Reforma Agrária na microrregião.





REFERÊNCIAS



BORDO, A. A.; SILVA, C. H. P.; NUNES, M.; BARBOSA, T.; MIRALHA, W. Diferentes Abordagens do Conceito de Território. São Paulo, FCT/UNESP, 2004. Disponível em < www.temasemdebate.cnpm.embrapa.br/ > acessodo em 20 de julho de 2008.

HAESBAERT, Rogério. Des-territorialização e identidade – a rede “gaúcha” no nordeste. Niterói: EDUFF, 1997.

HAESBAERT, Rogério. DOS MÚLTIPLOS TERRITÓRIOS Á MULTITERRITORIALIDADE.  Porto Alegre, 2004. Disponível em <www6.ufrgs.br/petgea/Artigo/rh.pdf > acessado em 20 de julho de 2008.

MOREIRA, Emilia de Rodat Fernandes. Por um pedaço de Chão. João Pessoa: Universitária/UEPB, 1997.

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. A geografia agrária e as transformações territoriais recentes no campo brasileiro. In. CARLOS, Ana Fani Alessandri (org). Novos Caminhos da Geografia. São Paulo:Contexto, 2005.

SANTOS, Milton. Por uma Geografia Nova. 4.ed. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS. Milton. A Natureza do Espaço – Técnica e Tempo. Razão e Emoção. São Paulo: Hucitec, 1997.

SAQUET, Marcos A. Abordagens e concepções de Território. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

SOUZA. Marcelo J. L. de. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, Iná E.; GOMES, Paulo C.da C.; CORRÊA; R.L. (orgs).  Geografia: Conceitos e Temas. 7.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. p.77-116.

Alves, Flamarion Dutra e Silveira, Vicente Celestino Pires. A metodologia sistêmica na geografia agrária: um estudo sobre a territorialização dos assentamentos rurais. In: Sociedade & Natureza (On-line),  vol. 20 no.1 Uberlândia jun. 2008.