segunda-feira, 31 de agosto de 2015

JOÃO PEDRO TEIXEIRA: Líder Camponês e Herói da Pátria

  
 
Por: Jorgan Estevão
Câmara aprova inclusão de João Pedro Teixeira no rol de heróis da pátria. A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou em 19 de julho o Projeto de Lei 3700/12, do deputado Valmir Assunção (PT-BA), que inscreve o nome de João Pedro Teixeira no Livro dos Heróis da Pátria.
A proposta, que havia sido aprovada pela Comissão de Cultura em 2012, segue para o Senado.
João Pedro Teixeira foi um líder campesino, assassinado com três disparos em 1962, vítima de uma emboscada planejada por latifundiários paraibanos. Ele foi responsável por fundar a primeira liga camponesa na Paraíba. Sua atuação em defesa dos trabalhadores rurais no Nordeste o aproxima da história do acreano Chico Mendes, que ganhou notoriedade por batalhar em defesa do seringal e do meio ambiente na região amazônica.
As Ligas Camponesas foram criadas inicialmente como associações e tinham objetivos definidos: prestar assistência social e defender direitos de arrendatários, assalariados e pequenos proprietários rurais.
Nascido em 04 de março de 1918, no distrito de Pilõezinhos, município de Guarabira a 90 quilômetros da capital paraibana, João Pedro Teixeira foi um ativo militante das causas camponesas no final dos anos 50. Ele foi casado com Elisabeth Teixeira, com quem teve 11 filhos.
O Livro dos Heróis da Pátria também é conhecido como “Livro de Aço”, referência ao material em que é confeccionado. Ele está exposto no Panteão da Pátria, em Brasília, e homenageia brasileiros que tenham oferecido a vida à Pátria. Entre os nomes já inscritos no livro estão o de Tiradentes, Zumbi dos Palmares e Santos Dumont.
Comentários do prof. Belarmino Mariano
Nada mais justo, pois estamos diante dos mais de 50 anos do seu assassinato. Alusivo a este fato, O jornalista Nonato Nunes, publicou o livro João Pedro Teixeira : Um mártir do Latifúndio. A obra foi apresentada pelo prof. Belarmino Mariano Neto da UEPB, que destaca a importância do livro, pois cada obra escrita guarda em si muitos significados, mas quando esse livro trata da vida de um líder camponês em franca luta sociopolítica para transformação da realidade, a obra se reveste de mais significados e valores. Quando convidados para prefaciar o documentário jornalístico produzido por Nonato Nunes, que redimensiona os cinquenta anos de assassinato do líder camponês João Pedro Teixeira, sabemos que as dimensões espaço-tempo se misturam ao ponto da unidade dimensional de um dos mais importantes fragmentos da História dos movimentos sociais no campo e em especial do Nordeste brasileiro, pois as Ligas Camponesas, como um movimento inicialmente voltado para o campo, ganhou contornos urbanos e chegou ao ápice ao reunir milhares de camponeses em torno de um movimento organizado com vistas a transformar as estruturas de poder reinante em nosso país.

Veja como economizar com válvula de ar em hidrometro de água

fonte da imagem: www.sindiconet.com.br


Por:  JOSÉ LUIZ MAZZEU  

OLÁ BOA TARDE INTERNAUTAS, PEDIMOS A AJUDA DE VCS PARA QUE COMPARTILHEM ESSE VÍDEO POIS ELE MOSTRA COMO FOMOS ENGANADOS TODOS ESSES ANOS PELO GOVERNO ESTADUAIS, NOSSA ÁGUA PODE SIM FICAR MAS BARATA COMO ESSA VÁLVULA E SENDO QUE NA CONSTITUIÇÃO FALA QUE A ÁGUA É UM DIRETO DE TODOS!
VAMOS COMPARTILHAR PARA QUE VÁRIAS PESSOAS TENHAM ACESSO A ESSA INFORMAÇÃO E QUE COM ISSO TENHA MAS UM CONFORTO EM SUA CASA POIS ECONOMIZAR UMA BOA GRANA. #SBT
SITE: www.energycleaner.com.br 
CRÉDITOS:https://www.facebook.com/mazzeu?fref=photo

veja o vídeo e divulgue:
https://www.facebook.com/SbtNoticiaParipe/videos/vb.284130941733048/636008899878582/?type=2&theater

domingo, 30 de agosto de 2015

Sítio Utopia: Um dia de campo



Por: Belarmino Mariano Neto


Neste sábado, 29 de agosto, realizamos uma visita ao Sitio Utopia e ao lado de amigos como Joaquim (Emater), Ricardo (Emater), Zé Costa (UEPB/Catolé), além de outros visitantes. Fizemos um caminhada de campo para traçar estratégias de manejo agroecológico e formação para pequenas produções camponesas na região. Registramos que o Sitio Utopia localiza-se na Comunidade Bacupari, situada na zona rural de Alagoa Nova.
É consenso mundial que a busca pela sustentabilidade na agricultura passa necessariamente pela adoção de técnicas que permitam uma produção sem danos ambientais e à saúde pública. A agricultura ecológica é uma das alternativas de produção limpa que muitos empreendedores rurais vêm progressivamente empregando em suas práticas cotidianas.
Entre os anos de 2003 a 2006, o professor Belarmino fez sua pesquisa de doutoramento sobre os territórios de enfoques agroecológicos, em que o Sítio Utopia foi considerado a pedra de toque para o estudo. Na ocasião o autor fez um apanhado geral  com o Senhor Paulo Luna Freira, o principal protagonistas da agricultura agroecológica em Alagoa Nova/Pb, quem sabe o maior produtor de agroecossistemas da Paraíba, que em sua unidade familiar produz uma variedade superior a sessenta itens cultivados completamente sem agrotóxicos e com técnicas alternativas de manejo de agroecossistemas.
Sua produção é reconhecida pelo selo solidário de consumidores permanentes, com sua produção quase que totalmente destinada para consumidores do Restaurante Oca, em João Pessoa, onde todas as terças feiras, também vende para clientes cadastrados e antenados com a agroecologia. 

Aos interessados, segue uma lista de imagens fotográficas:

   
 
Fotos de Belarmino Mariano Neto, Sitio Utopia, 29;agosto/2015.

Para maiores informações sobre o Sítio Utopia - 

veja álbum de fotos na integra:

Outros links:

Tese sobre agroecologia:

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Quem já ouviu a "estaladeira" de um "partido" de cana pegando fogo?

Foto: http://www.ecodebate.com.br/2013/06/27/mpf-consegue-manter-proibicao-da-queima-da-cana-de-acucar-no-cone-sul-de-ms/


Por: José Francisco Mendonça Borges

Sexta-feira, 28 de agosto, 06:00h, João Pessoa, Campus I da UFPB, Feira Agroecológica. Afirmação de um feirante e pequeno produtor. "Antigamente não se queimava a cana, hoje se queima, corta-se, depois vem a soca e o mato e o produtor pulveriza o veneno para o mato morrer. O proprietário diz, mas a cana esse ano tá tão fraquinha".
É a adoção de um modelo "degradante", para atender uma agricultura de dimensão maior, que a utilizada para alimentar engenhos e a produção de rapadura e aguardente. A queimada esteriliza e impede que a palha da cana se incorpore ao solo, através da decomposição natural.
Some-se a isso, a utilização indiscriminada de agrotóxicos, de fertilizantes industrializados e de herbicidas.
Já ouvi um caboclo afirmar que o fogo na cana, só se apaga com fogo, ou seja tem que se fazer um "aceiro" e colocar fogo no sentido contrário para encontrar o primeiro.
Quem já ouviu a "estaladeira" de um "partido" de cana pegando fogo, comente.
Notas:
1 - O termo "veneno" foi mencionado pelo feirante e corresponde a herbicida;
2 - utilizei a palavra "partido" para denominar o que geralmente se chama de canavial, pois na minha região, Alagoa Nova e Areia - PB, as palavras "partido de cana" são mais comuns ou mais utilizadas; e,
3 - Por curiosidade, acrescento que no plantio se utiliza pedaços ou segmentos de cana, com aproximadamente 30 ou 50 centímetros, com alguns "olhos", que chamávamos de " bandeira".

Fonte: José Francisco de M Borges - jframenbo@gmail.com - www.facebook.com/alagoa.novense
Foto:  http://www.ecodebate.com.br/2013/06/27/mpf-consegue-manter-proibicao-da-queima-da-cana-de-acucar-no-cone-sul-de-ms/
postado no face de Emilia Moreira

terça-feira, 25 de agosto de 2015

PSOL João Pessoa elege Aurea Augusta para presidente do partido


No último domingo, 23 de agosto, os/as filiados/as do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) em João Pessoa estiveram reunidos/as em Plenária no Hotel JR e escolheram Áurea Augusta para Presidir a legenda na capital paraibana. Áurea iniciou sua militância no movimento estudantil, participa do movimento sindical, é militante do PSOL desde a coleta de assinaturas para legalização do Partido, Mestre em educação pela UFPB, doutoranda em educação pela UFPE e professora da rede municipal de ensino de João Pessoa.

A chapa defendida por Áurea Augusta contou ainda com a participação de Renan Palmeira, que segue Presidente do PSOL em João Pessoa até a posse formal de Áurea, e Tárcio Teixeira, ex candidato ao Governo do Estado pelo PSOL, entre outros que farão parte do Diretório Municipal.
Com duas chapas inscritas para disputa do Diretório Municipal do PSOL, a palavra de ordem dos dois agrupamentos foi e segue sendo a unidade partidária, sendo a nova direção formada proporcionalmente por representantes das duas chapas. O PSOL sai de sua Plenária Municipal coeso para seguir sua presença marcante na luta por direitos e com a certeza de um importante papel a cumprir no processo eleitoral de 2016, quando apresentará candidato a prefeito de João Pessoa e disputará com toda sua energias as primeiras vagas na Câmara dos Vereadores.
Acrescento que a escolha foi acertada e garante o recorte de genero, pois além de professora, sindicalista e militante, é uma mulher de fibra, de coragem e com certeza irá fortalecer ainda mais a agenda das Mulheres do PSOL. Parabéns a companheira Áurea Augusta pela nova missão e tenho certeza de que dará conta. O Psol paraibano e pessoense demonstra que é um partido que exercita a democracia interna e externa. Diferentes dos muitos partidos em que algumas fímilias são donas das legendas. 

domingo, 23 de agosto de 2015

AS OLIGARQUIAS E O PODER LOCAL: Estudo de caso sobre Guarabira/PB


Fonte: novoemfolha.folha.blog.uol.com.br

 


Por: Belarmino Mariano Neto

Será que o conceito de oligarquia ainda se aplica aos dias atuais? É o que vamos analisar a partir de uma realidade objetiva, o município de Guarabira, considerando seu legado político e administrativo dos últimos 70 anos. Será que existiram e/ou ainda existem oligarquias em Guarabira? Como a região é permeada pelo mundo rural, será que as oligarquias rurais deram a base para que novas oligarquias se instalassem no poder, reproduzindo novas relações?
Primeiramente vamos dizer de qual lugar estamos tratando nesse artigo. Em pesquisas realizadas sob minha orientação, a acadêmica de Geografia, CLAUDETE PEREIRA DO NASCIMENTO, realizou duas pesquisas que se complementam, entre a graduação e pós-graduação pela UEPB, entre os anos de 2006 a 2009, sobre a dimensão territorial de Guarabira em sua microrregião e os recortes espaciais que representaram desmembramentos, fragmentações e novas municipalidades.
O foco com a pesquisa, também abarcou o “mito geográfico” de que Guarabira em sua microrregião estivesse localizada no Brejo paraibano, um erro que é propagado há décadas e por que não dizer, há séculos, inclusive pelos meios de comunicação. Nesse ponto, começamos a dizer que Guarabira, nunca foi e nem será Brejo.
De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2000), o município de Guarabira/PB está situado em uma área de transição na Depressão Sublitorânea do Agreste paraibano, entre a Serra da Borborema e os tabuleiros litorâneos, com altitude média de 98 metros, com altimetrias superiores a 200 m. do nível do mar.
É nessa região serrana, com vales e depressões que iremos discorrer sobre o conceito de oligarquias, considerando o Dicionário Formal em que o termo possui uma classificação morfossintática: substantivo, feminino singular,

Oligarquia: Significa, literalmente, governo de poucos. No entanto, como aristocracia significa, também, governo de poucos - porém, os melhores -, tem-se, por oligarquia, o governo de poucos em benefício próprio, com amparo na riqueza pecuniária. As oligarquias são grupos sociais formados por aqueles que detêm o domínio da cultura, da política e da economia de um país, e que exercem esse domínio no atendimento de seus próprios interesses e em detrimento das necessidades das massas populares (http://www.dicionarioinformal.com.br/oligarquia/).

Vera Texeira Soares (1979), publicou uma importante obra, intitulada Coronelismo e Oligarquias, analisando o período de instalação da primeira República (1889 a 1934). Nesse caso, vale destacar que foi um período em que regiões e localidades municipais, tinham seus administradores escolhidos por indicação dos governadores, e recebiam uma nomeação como “intendentes”, com poderes até certo modo, de caráter militarista e administrativo. Esse período ficou conhecido como a era dos coronéis. Quem eram eles? As figuras de poder, que respondiam pelos interesses do seu grupo político. Como eram grandes proprietários rurais, com latifúndios que em muitos ultrapassavam áreas territoriais, às vezes maiores do que um único município, estes eram revestidos de um poder, quase que ilimitado.
Quando em suas terras existiam atividades econômicas de manufatura ao exemplo de engenhos, ou eram grandes fazendas de gado, ou produção de monoculturas como a cana-de-açúcar, algodão ou agave, estes grandes proprietários, conseguiam interferir politicamente em toda uma região, influenciando diretamente em uma escala macro política estadual e até em nível nacional. Nesse período eram comuns os esquemas de compra de voto, voto de cabresto e todo tipo de corrupção e repressão extremamente antidemocrática, contra as forças políticas de esquerda que se colocassem na contra hegemonia do sistema oligárquico.

Fonte: sibila.com.br

Abro um parêntese para memorias dos meus irmãos mais velhos, José Belarmino e Raul Belarmino, eles contam uma história interessante: quando meus pais (já falecidos) viviam no Vale do Pajeú, em Pernambuco, meu pai Mariano Belarmino analfabeto, minha mãe Gessi Costa, alfabetizada nas primeiras séries, apenas ela podia votar. Morávamos em terra alheia e tínhamos por obrigação (voto de cabresto) votar nos candidatos do dono da terra. Depois da eleição, meu pai foi intimado à fazenda, pois o proprietário ficou sabendo que minha mãe havia votado noutro candidato. O fazendeiro questionou meu pai e ele disse que a sua esposa havia votado no candidato que ela achava melhor e que ele não se metia em quem ela votava. Então o latifundiário, deu um prazo para meus pais saírem de suas terras. Ele deixou o chão com uma boa plantação de milho, feijão e teve que retirar as poucas cabeças de gado e rebanho pequeno de cabras.
Esse comentário reflete a exata política das oligarquias rurais em todo o Brasil e no Nordeste, além do “voto de cabresto”, as pessoas viviam reféns de um espaço controlado pelos latifundiários e nas cidades, os grupos políticos eram também atrelados aos fazendeiros locais. Impedindo que outas forças de esquerda ganhassem espaço na cena política. Será que ainda existe esse tipo de relação nos dias atuais? Como muitas pessoas passaram a viver em cidades, sem emprego para todos, com boa parte dos cargos públicos controlados pelos grupos políticos e a falta de concursos públicos, os contratos de trabalhos em serviço público, são um novo tipo de “cabresto político”, em que, para se conseguir algum contrato, se é obrigado a assumir os interesses políticos daquele grupo que esta no poder.

AS OLIGARQUIAS NA PARAÍBA E EM GUARABIRA

                Se considerarmos as devidas escalas espaciais, e teóricos como Michel Foucault, em Microfísica do Poder (1982), mesmo que o autor não trate diretamente da questão, mesmo assim veremos que as oligarquias estão estruturadas nos estados e municípios que compões a estrutura territorial do Brasil. No caso de Guarabira a situação se aplica facilmente. Pois existem modelos exemplares de famílias que durante décadas se revezam no poder político local, controlando as estruturas de poder para si e para os seus mais próximos, em que a prefeitura é um exemplo do “panoptico”, de onde os oligarcas controlam a tudo e a todos.
                Temos importantes historiadores como Cleodon Coelho (1975) e Moacir Camelo de Mello (1999), que tratam diretamente da História de Guarabira, mas existem muitas lacunas, quanto às questões de disputa e controle oligárquico das famílias locais, ressaltando muito mais o papel de valorização dos fundadores da cidade, sem uma preocupação com os interesses políticos e as disputas de poder, dentro de uma lógica elitista e conservadora de valores. De maneira que um leitor desavisado, pode construir uma ideia falsa da realidade histórica da fundação e desenvolvimento local.
Historiadores mais atuais, como Martinho Alves e o professor Josias, tentam em seus blogs e até em livros, reconstituir a história de Guarabira, em alguns casos elencando novos indícios de atuação políticas de alguns grupos, em Martinho Alves, faz um resgate biográfico patriarca Antônio Roberto Paulino. Já o historiador, José Octavio de Arruda Melo (1994, 1993 e 1997), consegue em suas diferentes obras, discutir as questões urbanas e dos grupos familiares que se reversavam no poder, inclusive em Guarabira e região.
Vale salientar que o modelo colonial brasileiro foi fundamentado historicamente para que esse sistema oligárquico se tornasse a base de controle dos espaços de poder, de cultura, economia, justiça e, dos meios de comunicações, quase que hereditariamente, tendo sofrido pequenas alterações entre o colonialismo de exploração, imperialismo regimental (monarquia) e períodos republicanos. Nesse ultimo, foi colocado um pouco de fermento da ideia de “democracia torpe”, balizada pelo poderio econômico de algumas famílias, pois a grade maioria dos partidos políticos segue esquema oligárquico, ou seja, controlados por famílias tradicionais.

PRIMEIRA REPÚBLICA, OLIGARQUIAS E POPULISMO NA PARAÍBA E EM GUARABIRA.

De acordo com arquivos do TSE sobre o histórico dos processos políticos e eleitorais brasileiros,

Em 15 de novembro de 1889 tem fim o período imperial brasileiro, com a proclamação da República. A mudança na forma de governo, no entanto, não significou, verdadeiramente, a instituição de um regime político verdadeiramente democrático e livre das influências do poder econômico (http://jus.com.br/artigos/12872/historico-do-processo-eleitoral-brasileiro-e-retrospectiva-das-eleicoes#ixzz3jNp5Nprm).

Nessa perspectiva conceitual historicamente representada, vale registar que, os governos municipais, foram durante décadas indicados pelos governadores como intendentes, entre os anos de 1889 a 1929. Estes assumiam o executivo com o papel de administrar as cidades, com poder de mando policial, administrativo e tributarista. Eram conhecidos como Intendentes.

Fonte: www.grandesimagenes.com



Nessa época, Guarabira registrou quatro importantes famílias oligárquicas que se revezaram no poder (Pimentel, Aquino, Guedes e Bandeira) que iniciaram o poder de mando sob uma base territorial que encobria toda uma região constituída por municípios como a sede (Guarabira), distritos e povoados como: Pilõezinhos, Araçagi, Pirpirituba, Cuitegi, Alagoinha e Mulungu que se emanciparam politicamente depois dos anos de 1960. Além dessas importantes famílias, outros grupos familiares se revezaram no poder, de acordo com os interesses dos governados da Parahyba. Na atualidade ainda é possível encontrarmos alguns desses sobrenomes familiares, entre os grupos que se revejam no poder local?


OLIGARQUIAS E POPULISMO NA ERA VARGAS

O período que compreende a era Vargas (1929 a 1947) foi muito conturbado em relação às eleições e os prefeitos eram nomeados pelos governadores que eram escolhidos indiretamente. Entre esse período, novamente tivemos como destaque a frente do poder executivo, como maior exemplo a família Aquino, com vários mandatos, apesar de não terem sido sucessivos em todos os momentos, além dos Guedes e Pimentel. Como podemos observar, as nomeações estavam relativamente atreladas ao poder de mando dos governadores que precisavam das famílias mais poderosas de cada região do Estado para garantia de sua governabilidade, atribuindo-lhes poderes e a ocupação dos diferentes cargos públicos aos familiares em uma nítida troca de favores e benesses.

 
Fonte:  hiltonfranco.com.br                          Fonte: entracossaco.wordpress.com

Melo (1994) destaca em seu livro História da Paraíba: lutas e resistências, que um dos mais fiéis representantes das oligarquias rurais paraibanas, foi o interventor Argemiro Figueiredo (1936 - 1940), sua principal base de apoio foi o grupo da várzea, tanto do rio Paraíba como do vale do Mamanguape.
Se pensarmos em governadores ou interventores da Paraíba, vale registrar que em todo o período republicano, se destacaram mais de vinte (20) oligarquias, que se espalharam pelo Estado da Paraíba, e interferiram diretamente em algum momento da História política paraibana, entre elas: Almeida; AndradeAquino; Araújo; Pessoa;Bandeira; Borges; Braga; Brito; Cabral; Carneiro; Cavalcante; Coutinho;Cunha; Dantas; Leal; Lima; Lins; Lucena; Miranda; Melo; Moreira; Odilon; PaulinoPimentel; Rego; Ribeiro; Targino; Toscano; Vasconcelos; Veloso; entre outras, com destaque em negrito para as que influenciaram na formação oligárquica de Guarabira. Vale registrar que muitas dessas famílias se uniram através de matrimônios, entre os filhos/as, o que representava a ampliação das possessões territoriais tipicamente latifundiárias.
Outras famílias chegaram à Paraíba através dos Estados de Pernambuco ou do Rio Grande do Norte, influenciando tanto em áreas rurais, como em atividades urbanas na capital ou em centros urbanos polarizadores mesorregionais, entre o Litoral, Agreste, Borborema e Sertão, além de microrregiões (Cariri, Brejo, Seridó e Curimataú). As atividades rurais, atreladas às manufaturas e ao comércio fez com que a política paraibana irradiasse seu poder para as classes dominantes.
Ainda da Era Vargas, vale destacar que as oligarquias uniram ao seu espeço de poder, práticas populistas de atrair eleitores e apoiadores para os seus projetos políticos de sustentação e governabilidade. Melo (1994) considerou que o populismo como uma espécie de estratégia de poder, não restrito ao Brasil, pois em outros países como a Argentina com Juan Domingos Peron (pós 1929) e no Brasil com Getúlio Vargas (1930). Na Paraíba ele afirma que Ruy Carneiro interventor (1940-1945) foi o melhor exemplo de oligarquia populista, posteriormente seguido por dezenas de outros governadores e prefeitos, em especial nos centros urbanos maiores como João Pessoa; Campina Grande; Patos; Guarabira; Cajazeiras; Areia; Itabaiana; Mamanguape, entre outras áreas.


OLIGARQUIAS E POPULISMO LOCAL NA ERA DO VOTO E DA TORPE DEMOCRACIA

Outro importante período político para os municípios foram às décadas entre 1948 até 2015, pois os prefeitos eram escolhidos por eleições diretas, com disputas acirradas entre as oligarquias locais. No estudo de caso sobre Guarabira, considerando que a maioria dos municípios circunvizinhos fazia parte de um único colégio eleitoral, esse período foi marcado inicialmente por disputas familiares entre os Aquino e Pimentel e posteriormente entra no jogo político a Família Paulino e Toscano, como sendo um novo ramo oligárquico, fruto de uniões familiares entre Aquino/Paulino e de abertura de espaço político dos paulinos aos toscanos.
Nesse período também teremos importantes movimentos urbanos, mais independentes dos traços oligárquicos, mas durante décadas sem muito sucesso, pois o poder econômico e de mando era quase que inabalável. Então, para que um profissional liberal chegasse ao poder, precisava está ligado familiarmente a uma oligarquia local. Então, para além do populismo e do conservadorismo das elites agrárias, alguns dos seus filhos com ares de modernidade, chegaram a atuar na política, arejando em algumas cidades a perversa lógica autoritária, impetrada pelos militares e uma oligarquia populista.




Outras oligarquias comandaram a política em períodos distintos, sob a liderança de políticos individuais, como Ernani Sátiro (Patos), Ivan Bichara (João Pessoa), João Agripino maia (Catolé do Rocha), ou sob a liderança de famílias como Pereira (Pombal), Ribeiro Coutinho (Santa Rita) e Veloso Borges (Alagoa Grande). (MELO, 1994).

Além dos exemplos, também tivemos a situação em que algumas figuras históricas da política paraibana, mesmo com forte influencia oligarca, seguiram um pouco da ideologia de esquerda, como Osmar de Aquino (Guarabira); Agassiz Almeida (Cariri paraibano) Abelardo Jurema (João Pessoa) e Vital do Rêgo (Campina Grande). Estes políticos foram diretamente perseguidos pela Ditadura militar e tiveram seus mandatos cassados. É importante dizermos que estamos apenas tratando de questões relativas às oligarquias, o que não caberia uma análise sobre as esquerdas paraibanas, foco de resistência contra as tradicionais famílias oligarcas e populistas ou que todos os citados fossem de fato esquerdistas.

Fonte:  outraspalavras.net


GUARABIRA: FAMÍLIAS OLIGARCAS NA ATUALIDADE


Apesar das duras críticas que alguns grupos tentam jocosamente relacionar as atuais oligarquias locais, como os Paulinos e os Toscanos, vale registrar que no caso da oligarquia dos Paulinos, esse grupo familiar, tenha até certo ponto substituído a família Aquino ou herdado seu legado político para os dias atuais, pois se trata de um grupo familiar muito jovem na história política local, tendo uma maior tradição oligarca no vizinho Estado de Pernambuco.
Destacamos um momento político em que apesar da ditadura militar, os paulinos se colocavam em um campo oposto ao das famílias Pimentel, pois optaram politicamente pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB) crítico da ditadura militar, talvez por herança da oligarquia dos Aquino, também fortemente atreladas ao campo de defesa e assistencialismo as classes populares mais pobres, adquirindo importantes dividendos político-eleitorais e herdando um pouco do populismo assistencialista da época. Enquanto que o grupo político da família Pimentel estava atrelado às forças conservadoras da antiga Aliança Renovadora Nacional (ARENA), partido de sustentação da Ditadura Militar, ao qual também estiveram ligados representantes familiares das oligarquias Bandeira e Amorim. Isso não vale para todos os membros familiares, pois alguns dos políticos, dependendo da formação profissional como o jurídico, também adotaram o assistencialismo em suas estratégias para chegar ao poder.
Como grupo político de oposição aos governos militares, o MDB, posteriormente PMDB, conseguiu com a Oligarquia local dos Paulinos, eleger sucessivos prefeitos, desde Antônio Roberto Paulino (MDB - 1977-1982); Zenóbio Toscano (PMDB - 1983-1988); Antônio Roberto Paulino (PMDB - 1989-1992). Perdeu a eleição para Jader Pimentel que havia trocado a ARENA pelo Partido Democrático Brasileiro (PDT – 1993-1997), uma versão crítica do antigo regime militar e ligado nacionalmente ao Leonel Brizola, que era governo gaúcho e havia sido perseguido pela ditadura militar, com perda de mandato e exílio político.
Uma nova situação politica se fez com a eleição de Maria Hailéa de Araújo (Lea) Toscano (PMDB/1997-2000 e de 2000-2004), primeira mulher eleita e reeleita para a prefeitura de Guarabira, com o total apoio dos paulinos. Depois de 2001, com o rompimento das oligarquias Targino Maranhão e Cunha Lima (PMDB) em escala estadual, essa cisão afetou as relações oligarquias também em Guarabira, pois os toscanos também rompem com os paulinos e seguiram o grupo Cunha Lima que entraram no Partido Democrático Social Brasileiro (PSDB).
Na sequência de disputa pelo poder municipal, o grupo Paulino elegeu Maria de Fátima de Aquino Paulino (PMDB – 2005-2008 e 2009-2012), eleita e reeleita, tornando a oligarquia Paulino/Aquino a que mais governou o município de Guarabira, desde a época das intendências e nomeações indiretas, até os dias atuais. Se fizermos um quadro das oligarquias dos Aquino e Paulino, juntos somam duas décadas de domínio da política de Guarabira (Quadro 01):

QUADRO 01 – PRINCIPAIS OLIGARQUIAS DE GUARABIRA NO PODER
OLIGARQUIAS
PERIODOS À FRENTE DO PODER EXECUTIVO
DURAÇÃO NO PODER
AQUINO
1921/1923; 1940/1942; 1946/1947 e 1955/1957
11 anos
PIMENTEL:
1912/1915; 1946/1946; 1963/1969; 1973/1976 e 1993/1996.
20 anos
PAULINO:
1977/1982; 1989/1992; 2005/2008 e 2009/2012
12 anos.
TOSCANO:
1983/1988; 1997/2000; 2001/2004 e 2013/2016 (atual)
13 anos
Fonte: Organizado pelo autor, a partir de dados históricos referendados.

Das quatro principais oligarquias que já governaram Guarabira e ainda possuem remanescentes familiares nos governos e no poder legislativo local, se juntarmos as famílias Aquino e Paulino, em função das ligações familiares matrimoniais, chegaremos a mais de duas décadas. Outro aspecto a considerar é que se caso os toscanos indiquem alguém da família para Sucessão de Zenóbio Toscano, em sendo eleito/a, os toscanos poderão atingir 17 anos no poder. Para evitarmos imagens pessoais, optamos por expor aqui apenas os brasões das famílias, em respeito ao legado histórico, independente das posições de poder que alguns membros assumiram em diferentes momentos da vida política local (Figuras de brasões):









 




Para fazermos justiça histórica aos políticos de Guarabira, a família Pimentel foi a que mais tempo passou no controle do poder executivo local e se consideramos as alianças políticas feitas entre essas oligarquias como garantia de poder paralelo e parcial, todas as oligarquias já se misturaram para governar em uma verdadeira política de revezamento dos grupos. Uma sincronia que até parece combinada, onde as brigas históricas entre as famílias existem como uma espécie de “teatralização política”, da qual o povo participa como massa de manobra, torcida organizada, que trabalha nas eleições em troca de migalhas ou favores políticos, com um carguinho de 5º escalão nos órgãos públicos municipais, que respingam diretamente em órgãos do governo estadual, caso um dos grupos seja aliado direto do governador de plantão.


E importante registrarmos que a oligarquia dos Toscanos é muito tradicional e forte em várias regiões do Brasil, oriunda de território italiano da região Toscana em termos políticos é muito nova em Guarabira, aparecendo no cenário político basicamente por intermédio da Oligarquia Paulino, com o racha entre as duas famílias por volta de 2001, os paulinos dão a entender que houve uma traição política dos toscanos ao grupo do PMDB. Esse argumento é facilmente intendido em entrevistas do Ex-governador Roberto Paulino ao afirmar que os toscanos só governaram Guarabira, depois que tiveram o apoio dos paulinos e dentro do tradicional PMDB, partido que elegeu o maior número de prefeitos do período democrático e por eleições diretas e pela “vontade popular”, como argumenta o político Roberto Paulino.
É importante registramos que vários políticos ligados a estas quatro oligarquias, já chegaram a assumir mandatos parlamentares na Assembleia Legislativa estadual, Câmara Federal e no caso do Ex-governador Roberto Paulino, que foi o político local que atingiu o maior cargo executivo, como Vice-governador e depois assumiu o cargo de governador, na chapa do também ex-governador José Targino Maranhão (PMDB – 1999 a 2002). Outro exemplo de influencia em governos estaduais foi o do Deputado Estadual Zenóbio Toscano, que chegou a assumir a Secretaria de Infraestrutura da Paraíba, durante os governos de Ronaldo Cunha Lima, Cássio Cunha Lima e no primeiro governo de Ricardo Vieira Coutinho, chegou a assumiu a direção da Empresa Paraibana de Gás (PBGÁS). Isso demonstra que o poder local sempre esteve de certo modo, atrelado aos interesses estaduais, em que as famílias sempre ocupam importantes cargos, não apenas na esfera municipal.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Feita essa exposição histórica acerca dos grupos oligárquicos que já estiveram no poder local, ou estadual, bem como, alguns ainda permanecem claramente no controle da vida pública local, gerenciando milhões de reais em recursos dos tesouros: nacional, estadual e municipal, justifica o quanto esse jogo político superficialmente democrático, aparentemente festivo e de uma disputa do jogo democrático, em que poucos são os escolhidos para participar da festa, impede que outras forças políticas se aproximem da gestão pública local. O que de fato esta em jogo, não é o controle administrativo de uma prefeitura, existem muitos mais e maiores interesses em jogo.
Grupos empresariais financiam as campanhas milionárias para um prefeito e vice-prefeito, milhares de reais são gastos para uma simples candidatura de vereador, em que, sempre estão colocados entre os 10 ou 15 primeiros lugares, alguns sobrenomes familiares ou algum candidato completamente comprometido com essa ou aquela oligarquia, com esse ou aquele grupo político estritamente oligárquico. Raros são os candidatos de dentro da população pobre, raros são os eleitos que pertencem a uma classe de trabalhadores.
Cria-se uma falsa ideia de que se trata de uma política apaixonada, como se fosse uma cultura de cordões azuis e encarnados, disputando a simpatia do público em uma festa religiosa de “Lapinha”. Ou algo como o bumba meu boi da Ilha de Parintins (Amazonas), em que um é garantido (vermelhão) e outro e caprichoso (Azulão), disputando as melhores fantasias, alegorias e passes de danças.
Se quiserem outras alegorias, vamos para torcidas de futebol, em que os times, Flamengo X Vasco, se enfrentarão em uma partida clássica no Maracanã. Então, se estabelece uma ideia de “rivalidade sadia” entre os torcedores, abre-se uma bolsa de apostas populares, em dinheiro, objetos de valor e até mesmo animais de estimação são colocados nas apostas, em que são apresentados placares em número de votos que cada candidato poderá obter.
Talvez em uma analogia mais infantil, podemos pensar em um “cabo de guerra”, em que os dois grupos esticam a corda ao máximo de suas forças para ver quem consegue desestabilizar o outro, dentro de uma arena delimitada por um risco e, perde o grupo que se desequilibrará. Nessas horas, vale xingamentos, provocações, empurrões e todos os tipos de manobras e astúcias que cada grupo tiver em mãos para usar contra o seu oponente.
Terminadas todas estas "brincadeiras", com as coisas sérias da vida pública com essas disputas, o grupo vencedor passa de 4 a 8 anos fazendo quase nada que beneficie o público, arruma todo tipo de vantagem para os seus familiares e aliados próximos.
O Grupo perdedor se resigna a esperar, pois sabe que também chegará a sua vez. Sempre que pode, usa seus aliados inconformados ao denuncismo, às críticas e muitas vezes aos ataques pessoais, se possível através de algum meio de comunicação, que pertence aos mesmos grupos que disputaram aquela brincadeira de ganhar ou perder a eleição.
Nos quatros cantos da cidade, iremos ver lamentações e defesas. Um grupo ataca o eleito e lamenta a falta de obras, a falta de cuidados com a cidade e os cidadãos. Do outro lado, aqueles que receberam um carguinho qualquer ou tem algum familiar “mamando” e sem concurso em alguma repartição, defende com “unhas e dentes” aquele gestor de plantão.
Sempre aparecem aqueles que aparentam neutralidade para defender a tese de que isso nunca mudará, de que o povo é o culpado por esse jogo político, etc. e tal. Que as pessoas se vendem por um saco de cimento, ou por um milheiro de tijolos e que os vereadores são todos uns "paus mandados". As críticas e comentários não passam dessa falácia lamentável.
A questão central agora é entendermos que, o povo não é e nunca foi culpado pelo que acontece na política local. Na verdade, existe uma longa história de compra de votos, de voto de cabresto e de votos assistencialistas, instituída pelas oligarquias brasileiras há séculos. Um esquema de falsos favores, de falsas promessas e apadrinhamentos temporários que impedem as pessoas de um amadurecimento mental sobre as questões políticas as quais estão atrelados.
Se o poderio econômico das oligarquias funciona há séculos, se existe um verdadeiro aprisionamento das pessoas, pois cargos de baixo escalão, em troca de misero salário e da fidelidade política aquele oligarca no poder, como se libertar desse jogo sujo e de azar, pois ao final o povo sempre sai perdendo?
Abro um parêntese para a ideologia de que perder nesse jogo é algo inaceitável para os eleitores menos esclarecidos. Como me disse um dia desses o poeta e músico Arthur Silva, as pessoas estão tão presas a esse esquema perverso que não querem votar naquele candidato que acham que vai perder e, na maioria das vezes, perdem por votar naquele candidato que distribuiu mais dinheiro, mais tijolos, mais feiras, mais remédios, mais “promessas”, mais “santinhos”. Então, o perder nesse caso é matematicamente simples. Tudo aquilo que o político corrupto deu em troca do seu voto, ele vai tirar triplicado, pois terá que dividir com esse ou aquele empresário corrupto, que financiou a campanha do político vitorioso.
O preço para esse tipo de politicagem é bastante elevado, pois em todas as eleições são três ou quatro meses de festa e quatro anos de lamentação, de falta de investimentos na coisa pública, de denuncias e escândalos, por desvio de dinheiro, por contratações e licitações irregulares, com obras superfaturadas, com serviços públicos de péssima qualidade, entre milhares de outras mazelas que a cena política local representa para a grande maioria dos eleitores, que não é total, pois uma minoria se deleita com os recursos e espaços de poder republicanos conquistados pela lógica da corrupção.
O desafio é superarmos essas contradições, dando um salto mental em nossos atos cotidianos. Vamos começar a pensar que os 15 vereadores do município de Guarabira precisam assumir o compromisso com o povo que votou nele. Com a população, pois foram eleitos para fiscalizar o executivo, para cobrar do executivo, para apresentar projetos e exigir que o prefeito execute as obras previstas. Os vereadores foram eleitos para legislar em causa do povo, nunca em causa própria. Então meus camaradas, nesse quesito, precisamos fazer uma limpeza geral nessa Câmara de vereadores, pois do contrário não adianta trocar de prefeito, esse jogo de azar de tirar um vermelhão e botar um azulão ou vice versa, de nada adianta com uns vereadores comprometidos apenas com os seus interesses e os interesses do prefeito que se elegeu, como faz a sua família há décadas.
Para vereador é preciso votar em pessoas ou partidos que não estejam nesse esquema viciado, então, não vendam os seus votos para vereador por dinheiro nenhum, pois vereador que sai comprando voto é bandido da pior espécie. Quando chegar à Câmara, vai armar uma quadrilha, com outros para extorquir o prefeito, em troca da aprovação de projetos, logo, fica preso aos interesses daquele oligarca da prefeitura.
Se o cara vier comprar seu voto, e se você for corajoso, grave, filme e entregue uma cópia para a justiça eleitoral. Se não tiver essa coragem toda, “você já sabe o que fazer”, para que ele não possa comprar o voto de outro eleitor. Têm candidato a vereador que nessa época se traveste de Santo, de religioso, mas depois de eleito, só atende as demandas exclusivamente familiares, assessorias e cargos dos melhores é pra família, às vezes deixa de fora até os seus mais fieis cabos eleitorais.
Atentos, pois alguns são empresários travestidos de democratas e populares, compra seu voto e depois que você precisa de uma ação em defesa da sua comunidade, da sua classe, ele lhe diz logo, - “O que eu podia lhe dá já dei na época da eleição”. Nesse caso, escolha vereadores de sua classe social e de partidos que sejam independentes, que não entrem em coligações alimentadas com o desvio de dinheiro público.
Quanto aos candidatos para prefeito, veja a história dos candidatos, conte quantas vezes ele já foi prefeito, quantas vezes a mulher dela já foi prefeita, o filho ou a filha dele já foi prefeita, ou vereador/a, ou deputado/a. Às vezes aparece um genro ou uma nora dele se passando por novidade, até mesmo um fiel assessor de longas datas, pois existe um limite de dois mandatos por família, exatamente para evitar vícios e esquemas de corrupção.
Tomadas estas precauções, não preciso lhe dizer mais nada, pois todos estes prefeitos ou prefeitas e familiares que já passaram pela prefeitura de Guarabira, fizeram péssimas ou fracas administrações. Digo sem medo de errar, pois as obras que por aqui aparecem, foram feitas diretamente com recursos do governo federal, ou diretamente com nossos impostos. Obras que na placa custam cinco ou seis milhões e na prática gastou-se um ou dois milhões e se desviou a outra parte, pode ficar certo/a que seu dinheiro foi para o ralo da corrupção, com seu aval, pois você o elegeu.
Veja o tamanho dos partidos, partidos grandes, com fortes estruturas, vá ver e existem grandes empresas e empresários financiando estes partidos. Grandes estruturas de campanha, palanques gigantescos, com milhares de bolas de festa. Lembre-se do aniversário de sua filha, como aquelas centenas de bolas ficam caras, imagine agora milhares de bolas, para cada grande comício? Muito material de campanha sendo derramado pelo meio das ruas, grandes placas de propagandas, outdoors gigantes em pontos estratégicos da cidade.
Vamos para grandes arrastões, para vermos quem bota mais gente? Começa logo com a distribuição de um “kit Montilha/Coca-Cola”, galões da “cachaça batizada”, vindas direto do engenho e ainda saem deixando nas esquinas, montando esquadrões, com uma batucada, bandeiras e tudo mais. “Tudo financiado pelo candidato a Vereador Biu da botija”, que recebeu uma herança, que desenterrou umas joias da família e esta investindo na campanha.
Se for uma carreata, veja como “surge do nada”, várias ordens de combustível, aqueles postos estratégicos fazem fila de carro e moto, quem está bancando tudo isso? Esses grandes partidos sempre estão ganhando as eleições, pois são viciados e profissionais, contratam logo uma equipe de Marketing, o mais caro marqueteiro, contrata um instituto de pesquisa, compra jornalistas e radialistas para que façam análises de conjuntura, de quem pode esta na frente, de quem pode ganhar com tal ou qual vantagem.
Então meu companheiro e minha companheira, esse é um esquema secular de campanhas, que mudou basicamente a forma e os materiais, mas no fundo no fundo é a mesma, surrada e velha política das oligarquias que matam e morrem, mas não querem deixar o poder por nada nessa vida.
Especializaram-se nesses esquemas de usar o povo como massa de manobras. Profissionalizaram-se na política e seus partidos e suas famílias são verdadeiras empresas de fazer política e políticos, por que não dizer verdadeiras máfias, que saem comprando partidos pequenos ou legendas de aluguel para dizer que é: “coligação em nome do povo”;  “Coligação da vontade popular”; “Coligação povo de futuro”; “Coligação pelo bem de todos”, entre outras mentiras que ludibria as pessoas de bem.


Ano após anos, vemos partidos políticos de esquerda, sérios e independentes se apresentando com uma nova forma de fazer política, totalmente contrários aos esquemas viciados desses grandes partidos, então algum eleitor diz: “-Eu não vou votar, por que esse candidato não vai ganhar e eu não quero perder meu voto”. Aí, vai e vota naqueles candidatos que acha que vão ganhar, e eles realmente vencem a eleição. Então concluo dizendo que você acabou perdendo seu voto do mesmo jeito, ou pior ainda, pois já tinha indícios de que aquele político era “macaco velho”, que já havia “enfiado a mão em cumbuca” e era viciado em esquemas de corrupção.
Com exceção de uma minoria ainda muito jovem, que talvez ainda não compreenda a complexidade do que esta por dentro da politicagem e dos politiqueiros, todos nós sabemos exatamente o que é, e compreendemos como funciona. Então, não podemos ser apenas espectadores ou coadjuvantes da cena política, apenas em períodos eleitorais. Precisamos ser protagonistas da nossa vida política, pois a política interfere diretamente na qualidade de nossas vidas, nos rumos da nossa economia, nos investimentos ou não, em saúde, educação, segurança, moradia, transportes, cultura, lazer e até mesmo nas condições ambientais de nossa cidade, de nosso estado e do nosso planeta. Seja um ativista político, fortaleça as menores forças que tentam mudar essa lógica perversa de políticos corruptos.


Fontes de Pesquisa:

COELHO, Cleodon. Guarabira através dos tempos. Guarabira: Nordeste. 1975.
FOULCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro/RJ: Graal, 1982. (file:///D:/Documentos/UEPB/Downloads/Microfsica%20do%20Poder.pdf).
MELO, José Octávio de Arruda. Guarabira: democracia, urbanismo e repressão 1945-1965. João Pessoa: União, 1997.
MELO, José Octávio de Arruda (org.). A Paraíba das origens à urbanização. João Pessoa, Editora Universitária, 1993.
MELLO, Moacir Camelo de. Itinerário Histórico de Guarabira, João Pessoa. 1999.
MELO, José Octavio de Arruda. HISTÓRIA DA PARAÍBA: Suas lutas e resistências. João Pessoa: Editora União, 1997 (http://www.ebah.com.br/content/ABAAABMVMAF/historia-paraiba-jose-octavio).
SOARES, Vera Teixeira. Coronelismo e Oligarquias - 1889 – 1934. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.