quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

ANÁLISE DAS TRANSFORMAÇÕES SÓCIO-AMBIENTAIS DECORRENTES DA FORMAÇÃO DOS ASSENTAMENTOS TIMBÓ E MATA VERDE NO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO, LITORAL SUL D

ANÁLISE DAS TRANSFORMAÇÕES SÓCIO-AMBIENTAIS DECORRENTES DA FORMAÇÃO DOS ASSENTAMENTOS TIMBÓ E MATA VERDE NO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO, LITORAL SUL DO RN.
SILVÂNIA FÉLIX DE LIMA (Autora)
Prof. Dr. Belarmino Mariano Neto (Orientador)
Profª. Ms. Ricélia Maria Marinho Sales (Examinadora)
Prof. Ms. Luiz Gustavo de Lima Sales (Examinador)

RESUMO

A pesquisa trata sobre Geografia Agrária e Ambiental a partir do processo de Reforma Agrária que vem ocorrendo especificamente no município de Espírito Santo, Litoral Sul do Rio Grande do Norte, na linha de fronteira entre a questão da terra para trabalhar, e a questão ambiental da terra para ser preservada. A metodologia baseou-se na observação participante e pesquisa empírica (BECKER, 1999 p.47), através de envolvimento com os trabalhadores rurais assentados e suas famílias, complementando com uma base cartográfica, fotográfica e documental a partir das entidades envolvidas com a questão agrária na região. A formação dos assentamentos Timbó e Mata Verde foi o resultado de um movimento isolado, promovido pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) do município de Espírito Santo/RN, independentemente das organizações sociais políticas e religiosas como, MST e CPT, que atuam no campo. É um movimento particular que também tem contribuído para fazer avançar o processo de Reforma agrária. Os assentamentos foram formados no ano de 2004, os quais englobam 57 famílias, todas do município. Esse processo ameniza diversos problemas sociais como: fome, falta de trabalho e moradia dos assentados, como também outros problemas sociais de todo o município, pois a volta dessas famílias ao campo diminui o problema de favelização, moradias de riscos, criminalidade, etc. Por outro lado, foi observado ao longo da pesquisa que os problemas ambientais foram agravados logo que os assentamentos foram formados, mas com o passar do tempo os assentados e suas organizações passaram a ter uma maior preocupação referente à reconstituição e à preservação dos recursos naturais da área. O município tem uma particularidade importante, pois apesar de ser considerado territorialmente do Litoral Sul, sua posição localiza-se no limite entre diferentes geossistemas de transição Agreste com contrastes naturais e humanos, dos quais pode-se destacar dois riachos perenes e uma reserva de Mata Atlântica entrando em contato com os três extratos de caatinga (herbácea, arbórea e arbustiva). As observações indicam que já aconteceram problemas ambientais na área de Mata Atlântica, como corte ilegal de madeira e focos de incêndios, bem como retirada de parte das matas Ciliares, causando o comprometimento dos riachos. Alguns destes problemas foram atribuídos aos assentados e suas famílias. Outro fator importante observado é a relação da política local com os assentados, pois segundo informações existem problemas políticos, causando empecilhos para o êxito dos assentados. Foi essa situação que deu ânimo a realização da pesquisa, pois a Geografia Agrária precisa dar conta dessa nova realidade de profundas transformações que o rural vem vivendo em suas esferas espaciais. Essa realidade resignifica o espaço geográfico e o novo papel do campo para os movimentos sociais e ambientais.

Palavras-chave: Geografia agrária, assentamentos, meio ambiente.

Nenhum comentário: