quarta-feira, 20 de novembro de 2013

A FORMAÇÃO TERRITORIAL DO BREJO PARAIBANO E A LUTA PELA TERRA: O CASO DO ASSENTAMENTO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA (DISSERTAÇÃO)

Imagem de Leandro paiva em capa do facebook, 2013.
Por: Leandro Paiva do Monte Rodrigues
Dissertação de Mestrado:

A luta pela terra sempre esteve presente nos embates políticos no Brasil assumindo formas e contornos diferentes ao longo do tempo histórico. Temos como exemplos: a luta dos indígenas para resistir à apropriação de suas terras pelos europeus no período da colonização; a luta das comunidades quilombolas, em que a liberdade passava diretamente pela apropriação de um território; a luta dos arrendatários contra o pagamento da renda, como no caso das Ligas Camponesas em meados do século XX; a luta de resistência dos moradores e posseiros para continuar a viver e trabalhar na terra e a luta dos trabalhadores sem terra por um pedaço de chão.
As formas de luta do século XX e XXI representaram e ainda representam o enfrentamento da classe trabalhadora à dominação e a exploração do capital latifundiário e do agronegócio (este, no mais das vezes, confundido e integrado ao capital latifundiário) e trazem no seu bojo a bandeira de luta pela reforma agrária.

A discussão sobre a reforma agrária ressurge no Brasil, em meados do século XX, numa clara manifestação da importância da agricultura, da posse da terra e das relações de trabalho no campo no processo de formação de nossa história. Os problemas referentes à questão agrária estão relacionados: a) à propriedade da terra, particularmente ao seu caráter privado e à sua concentração; b) aos processos de expropriação, expulsão e exploração dos camponeses e assalariados; c) à violência contra os trabalhadores; d) à produção, ao abastecimento e à segurança alimentar; e) aos modelos de desenvolvimento da agropecuária e seus padrões tecnológicos; f) às políticas agrícolas e ao mercado; g) à qualidade de vida e à dignidade humana. Por tudo isso, a questão agrária compreende as dimensões econômica, social, cultural e política.

Nenhum comentário: