terça-feira, 24 de novembro de 2015

TECIDOS E RASGÕES DE UMA DESFAÇATEZ CULTURAL


Fonte: http://dustindc4toa1.blogspot.com.br/


Por: Pedro Torres (Acadêmico de História/UEPB/CH)

Costumo escrever aos domingos, aqui e acolá faço algumas leituras, alinhavo alguns retalhos que ao final de minha atividade laboral sempre me rendem uma colcha retalhosa. Outrora cá estive pensando, lendo, costurando e escrevendo; também estive a repensar, reler, recosturar e reescrever.
Meus dias tem se resumido ao paradoxo: fazer/refazer, e foi fazendo e refazendo que conclui essa pequena malha que para alguns aperta, incomoda não por ser curta, mas por ser cozida de retalhos que não gostamos e cujos estampados não nos agrada. Mesmo sabendo que serve para uns e outros não, costurei. Há de servir a alguém.
Pois bem, ao ver uma colcha belíssima produzida por um costureiro amigo meu resolvi fazer esse bordado, pegando alguns traços seus. Cozi meu bordado com estes letreiros: Por qual razão falamos tanto em cultura e não saímos do campo discursivo?
Seja por estas terras planas ou por aquelas serranas não se fala em outra coisa nas peças teatrais encabeçadas por bacharéis em artes cínicas e em seus roteiros fantásticos. Cultura é nas páginas amareladas palavras de ordem. Contudo, olhando de perto tal espetáculo macabro não compreendo porque nele fala-se tanto em cultura, quando o único investimento está nas falas.
Parece-me que estes bacharéis ao elaborarem seus roteiros não valorizam para além da encenação a cultura. Suas companhias teatrais, historicamente, tem se mostrado indiferentes a história de seu público, a cultura de seu público. O roteiro silencia e destrói a cultura de um povo e ao destruir a cultura de um povo se destrói também sua História.
Sem história e sem cultura, ou melhor, quando apagadas, os reduzem a um povo sem identidade, consequentemente, mais dócil, despolitizado, fácil massa de dominação/manobra. Eles têm apostado num espetáculo diferente, a cidade deles é uma cidade de "Pedra e Cal" onde não se dá o pão nem o Circo. Pois na cultura do capital se paga por tudo. Ser de algum lugar certamente é ter uma identidade, mas no final das contas resta-nos saber se valorizam de fato o lugar e a cultura, para além das prateleiras e do valor venal da exploração de um povo.

Aqui apresento os últimos rasgões do tecido cultural, no exemplar trabalho de Chico Science – Nação Zumbi, quando ele fala sobre a lama e o caos. Nesse tecido de lama que escorre e amarga o rio Doce das Minas Gerais, vemos a cultura do lucro e da mineração que destrói a identidade de um lugar. Rasgões ambientais sem precedentes na história da natureza. Retalhos e rasgões que não servem para vestirmos um povo, para fazermos uma festa de reis, ou um maracatu rural. Essa é a cultura do capital e nos alimenta de “jumentas magras”, que são levadas para as colchoeiras do preconceito de lugar, destruindo a verdadeira cultura de um povo.

Nenhum comentário: