quarta-feira, 26 de novembro de 2008

SUSTENTABILIDADE DO ASSENTAMENTO JOSÉ RODRIGUES SOBRINHO NO MUNICÍPIO DE NOVA CRUZ/RN, ÁREA DE RISCO DE DESERTIFICAÇÃO.

Silvânia Félix de Lima /UFPB (silgeo_7@hotmail.com)¹
Emília de Rodat Fernandes Moreira / UFPB (erodat@hotmail.com)²
Belarmino Mariano Neto/UEPB (belogeo@yahoo.com.br)³


A degradação ambiental provocada por formas de manejo inadequadas do solo, pela antiguidade do seu uso e pela exploração irracional dos recursos naturais no semi-árido nordestino é responsável pela perda da fertilidade do solo e da biodiversidade de muitas áreas. Paralelamente, assiste-se ao crescimento do número de famílias que lutam pela posse da terra para fins agrícolas na região o que tem resultado na ampliação da desapropriação de terras e na criação de áreas de assentamento. A fixação de um número maior de famílias no campo numa região vulnerável do ponto de vista ambiental gera a necessidade de garantia da sobrevivência da população sem comprometer o ambiente ou agravar os problemas já existentes. Daí entender-se que um projeto de reforma agrária não pode nem deve limitar-se à simples distribuição de terras e liberação de créditos. Ele deve também levar em conta a sustentabilidade ambiental. O objetivo deste trabalho é analisar o processo de reforma agrária em uma área com risco de desertificação numa porção do semi-árido do Nordeste brasileiro, o município de Nova Cruz/RN, a partir da formação do assentamento José Rodrigues Sobrinho. Para tanto, estudamos as formas de relação estabelecidas entre o homem e a natureza, as formas de organização social e econômica do assentamento e a atuação dos órgãos governamentais. Além da revisão bibliográfica o trabalho pautou-se na análise de dados secundários e na pesquisa de campo. Constatou-se que a implantação de assentamentos no semi-árido apresenta alguns elementos que podem contribuir para o seu fracasso ou para o seu êxito quais sejam: a forma de organização social e produtiva e a relação com a natureza. Aprender a conviver com as adversidades ambientais, buscando não só evitar o agravamento dos problemas existentes, mas contribuir para a recuperação das áreas degradadas é uma das condições fundamentais para a permanência das famílias nos lotes e para garantir a continuidade do trabalho e da vida na terra para as gerações futuras.

Palavras-Chave: Assentamento, Luta pela terra, Reforma Agrária

Nenhum comentário: